Torna-se decisivo para uma coluna como esta estar atento à História e à Cultura regional e às publicações, tanto antigas como actuais, que as abordam. Não podíamos por isso deixar passar e é importante dar aqui nota do livro (dois tomos) recém lançado em Badajoz: Foral Manuelino de Olivenza – 1510, carta de foral de Dom Manuel I que é essencial para todos os que gostam de História e das relações históricas entre localidades da fronteira luso-espanhola no Alentejo. De grande valor pelo documento e pela localidade que trata. Foi lançado no dia 26 de março último no Convento de São João de Deus/ Convento de San Juan de Dios e as vendas do dia do lançamento reverteram para a Santa Casa de Misericordia de Olivenza.

Evidentemente não se dedica à questão histórico-política existente, contudo ajuda a compreendê-la abordando exaustivamente Olivença e sua população – actualmente integrada em Badajoz e contígua a terras portuguesas – e torna mais acessível o conhecimento local e, no caso, internacional.

A publicação, resultado de vários anos de investigação, além da beleza da encadernação, prima pelo rigor e detalhe que caracterizam os seus autores, Saul António Gomes, Mário Rui Simões Rodrigues, José Antonio González Carrillo – alguns já lemos por diversas vezes em obras de referência da historiografia portuguesa. E, o que me parece fazer toda a diferença, transparece nela dedicação e boa-vontade de todas as instituições envolvidas que fica bem patente nestas linhas do discurso do alcalde do Ayuntamiento de Olivenza na sessão de apresentação: “…la lengua española e la lengua portuguesa, de lo que fuimos y de lo que somos y de lo que Olivenza quiere ser, sentindo- se orgullosa de esta Historia compartida entre España y Portugal…”.

Fazia falta. Estará disponível no serviço de publicações da Universidad de Extremadura.

Fica a recomendação de leitura. E votos de feliz Páscoa.

Tiago Matias licenciado em Estudos Europeus (Faculdade de Letras de Lisboa)

  • Os desafios de Duarte Cordeiro

    O seu primeiro desafio, e mais urgente, vai requerer energia. Portugal tem feito uma apost…
  • As Belas-Artes e o mundo rural

    Temos escrito algumas notas que apontam a dimensão social e económica da comunidade elvens…
  • A seca em Portugal

    Como disse Pequito Rebelo em A Terra Portuguesa de 1929, “Portugal é mediterrâneo por natu…
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Elvas: Sete anos depois, reabre praça de touros de Santa Eulália

A praça de touros de Santa Eulália reabriu hoje, depois de sete anos encerrada e após obra…