Há aquela ideia de Portugal ser, no espaço europeu, o país dos poetas e das poetisas. Tal como a Alemanha é o berço de grande filósofos e França é de historiadores. Diz-se que em toda a parte há poetas de brilho que, mais populares ou mais eruditos, dominam a arte.
Nunca pensei muito nisso até conhecer outras culturas e perceber que de facto temos uma maneira de estar cultural peculiar. E há no Alentejo os tais poetas, nomeadamente uma poetisa que conjuga a sabedoria popular ao pensamento clássico como é pouco comum encontrar. Vale a pena conhecer ou voltar a Florbela Espanca através deste soneto célebre e marcante onde é clara a capacidade e domínio linguístico da escritora:

«Amar!
Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui… além…
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente…
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder… pra me encontrar…»

Florbela Espanca, nascida em Vila Viçosa (na actual rua Florbela Espanca), Alentejo, em 1894, morreu em Matosinhos em 1930 e em poucos anos de vida deixou tão interessante obra.

Tiago Matias é licenciado em Estudos Europeus pela Faculdade de Letras de Lisboa

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Opinião

Veja também

Mudança do estado tempo em Portugal Continental

Mudança do estado tempo em Portugal Continental …