As micro, pequenas e médias empresas da restauração e outras, enfrentam e enfrentaram um mar de problemas e dificuldades, no caso estamos a falar de encerramentos forçados, apoios praticamente inexistentes, já para não falar da falta de dinheiro para os clientes gastarem.
Ao invés das grandes cadeias de hipermercados que aproveitam a inevitabilidade do consumo para lançarem grandes campanhas entre as quais algumas de grande responsabilidade social em que se beneficiam a si próprias. Dos exemplos das promoções de produtos nacionais, clubes de produtores que servem para esmagar os pequenos fornecedores, acrescentando-se a generosa oferta de cabazes aos trabalhadores da empresa que não teriam necessidade do cabaz caso os salários fossem dignos, até a uma recente campanha do Pingo Doce “Unidos pela restauração – 3 gestos para apoiar o restaurante do seu coração”. A campanha, resumidamente, consiste no facto de cada cliente que faça uma compra superior a 50€ recebe um vale de 5€ – até aqui tudo bem – para descontar no Recheio (do mesmo grupo. Outra coisa não seria de esperar) – há então não é bem aquilo que parece – que pode ser utilizado no restaurante, café, pastelaria ou snack bar à escolha (do grupo).
Assim o Pingo Doce vai dar dois milhões de euros à restauração, ou seja, a si próprio. O verdadeiro apoio seria o cliente poder distribuir por quem bem entendesse, não acham? Mas não, o Pingo Doce fica com o desconto, com todos os privilégios, como horários quase normais, leis feitas à medida já para não falar dos malabarismos que são as engenharias financeiras. A propósito recordo que a sociedade Francisco Manuel dos Santos (principal acionista do grupo Jerónimo Martins) tem desde 2012 a sua sede fiscal nos países baixos.
A propósito os países baixos são um refúgio fiscal – estado nacional ou região autónoma onde a lei facilita a aplicação de capitais estrangeiros com percentagens de tributação muitos baixas. Na prática são zonas onde o controlo é inexistente e os impostos são reduzidos ou nulos. Então porque é que a sede não está em Portugal, a contribuir para a nossa economia? “Vale a pena pensar nisto”.

Filipe Mota é licenciado em Gestão e Organização de Empresas pela Universidade de Évora

  • E vão setenta e um

    A melhor dádiva e alento que uma empresa pode ter é sempre a satisfação do seu consumidor …
  • Parcerias opacas – parte II

    Todos conhecemos casos em que o Estado, em matéria de contratação publica, especialmente n…
  • Parcerias opacas – parte I

    “Litígios nas parcerias público-privadas envolvem 878 milhões de euros”. Este título de um…
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Opinião

Veja também

Portugal regista mais um morto e 230 infectados. Alentejo com 38 novos casos

Portugal regista hoje uma morte atribuída à covid-19, o valor mais baixo desde maio, assim…