Assinalou-se no passado dias 2 de abril os 45 anos do aniversário da aprovação e promulgação da constituição da república portuguesa. Recorde-se que a lei fundamental é em si própria uma conquista da revolução de Abril. De teor democrático e progressista tem as suas raízes na luta persistente dos trabalhadores e do povo por uma vida melhor e foi capaz de incorporar as transformações socias, políticas e económicas após a eleições de 25 de abril de 1975.
Foi a luta dos trabalhadores e do povo e as suas conquistas que fez abril que inspiraram e deram corpo à constituição, apesar de terem sido os deputados constituintes que a escreverem e aprovaram.
Actualmente temos um documento mais pobre e descaracterizado pelas 7 revisões conduzidas por PS, PSD e CDS influenciados por interesses monopolistas.
Todavia a matriz essencial mantem-se e dá garantias de futuro aos anseios do povo português, no sentido em que privilegia os direitos dos que vivem do seu trabalho e dos mais vulneráveis em detrimento dos grandes interesses económicos.
Recorde-se que a constituição, tendo respaldados os  valores que Abril –  liberdade, democracia, justiça social, soberania, progresso e paz – encerra em si exigências como a sobreposição do poder politico ao económico, o apoio às micro pequenas e médias empresas (MPME), a responsabilidade do estado na implementação de politicas de desenvolvimento, a afirmação da soberania e independência nacionais, promoção da paz e cooperação entre povos, liberdade de expressão, coesão territorial económica e social, defesa do ambiente e do mundo rural, repartição justa dos rendimentos (1) e da riqueza, entre outras normas, valores, ideias e objectivos não menos importantes. Por isso, no ano de comemoração deste aniversário valerá apena ler o documento pois o leitor terá oportunidade de se espantar com os atropelos que se tem verificado (2). É importante conhecer a nossa lei fundamental, pois só a sim a conseguiremos defender para colectivamente podermos construir um futuro melhor.

(1) Note-se que a edição dos 30 anos (1976-2006) entregue às Edições Avante e publicada pela Editorial Estampa, tem o prefácio do Secretário Geral do PCP – Jerónimo de Sousa. O PCP desde sempre esteve e tem estado na linha da frente na defesa das normas, valores, ideias e objetivos programáticos que o projecto, ainda actual, integra.O caso do IRS (imposto sobre rendimento de pessoas singulares)) visa, sendo único e progressivo, a diminuição das desigualdades.

(2) Exemplos:
– o acesso ao direito e aos tribunais é desigual consoante a capacidade económica do cidadão;
– a liberdade de imprensa é enumeras vezes condicionada e distorcida por interesses ocultos;
– ausência de politicas de coesão nacional que acentuam as desigualdades socias e económicas entre regiões;
– A subordinação do poder político ao económico que tem influência na actividade legislativa com  objetivos(escondidos) para benefício poucos em  prejuízo de muitos (o povo);
– O abuso no que respeita aos direitos de trabalhadores;
– Etc…

Filipe Mota é licenciado em Gestão e Organização de Empresas pela Universidade de Évora

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Opinião

Veja também

IP lança concurso para retomar construção de variante em Évora

IP lança concurso para retomar construção de variante em Évora …