O CDS-PP de Elvas deliberou, ontem, por unanimidade retirar a confiança política à vereadora Paula Calado, confirmou a Comissão Política Concelhia do partido.

“Em consciência, o CDS-PP não pode então manter o apoio a uma vereadora que deixou de representar os partidos que a elegeram, e cujo desempenho também já não vai sendo compreendido por simpatizantes dos dois partidos que compunham a coligação”, referiram os centristas em comunicado.

Recorde-se que nas eleições autárquicas de 2021, Paula Calado concorreu à Câmara de Elvas e foi eleita pela coligação PPD/PSD.CDS-PP.

O CDS-PP refere ainda “que a perda de independência da vereadora eleita pela coligação PPD/PSD.CDS-PP não é situação única no elenco camarário, que actualmente não tem qualquer oposição. Esta não é uma situação saudável em democracia, mas cada concelhia partidária pensará e agirá pelo que considere ser o melhor para os elvenses que depositaram a sua confiança nos candidatos que foram a sufrágio”, explicou fonte do partido.

Os centristas elvenses mantêm, no entanto, “o apoio a todos os restantes autarcas do PSD eleitos pela coligação para a Assembleia Municipal e para a Junta de Freguesia de Assunção, Ajuda, Salvador e Santo Ildefonso”.

“A 14 de Outubro de 2021, o CDS-PP de Elvas reuniu em plenário para discutir a posição a tomar perante a aceitação de pelouros pela vereadora Paula Calado, eleita pela coligação PPD/PSD.CDS-PP. Foi decidido por maioria manter o apoio à vereadora, aguardando por provas de trabalho e independência no mandato que então se iniciava, em nome de uma estabilidade governativa que melhor beneficie Elvas e os elvenses.

A aceitação de pelouros por um autarca eleito com o apoio do CDS-PP era, desde o início, uma hipótese a considerar, no caso de nenhum dos três eleitos pelo PS aceitar pelouros. Uma vez que todos os vereadores acabaram por aceitar mandato, o cenário provável de ingovernabilidade da Câmara não se verificou, tornando irrelevante para o governo camarário a momentânea posição privilegiada da vereadora eleita pelo PPD/PSD.CDS-PP. Acabou assim a vereadora Paula Calado por apoiar uma maioria que não necessitava do seu apoio e por comprometer uma oposição que o carecia”, sublinha o CDS-PP.

“Mais do que a aceitação de pelouros em si, a proximidade com o restante executivo municipal fez com que Paula Calado e os vereadores eleitos pelo PS deixassem de ser as primeiras vozes dos seus partidos para se diluírem politicamente no coro dirigido por Rondão Almeida. Prova disto é que o aumento das tarifas do lixo e da água, com impactos brutais na vida dos elvenses, era o tema central da campanha de Paula Calado e uma das únicas condições para que aceitasse pelouros, mas parece que deixou de o ser”, vincaram os centristas.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Igreja do Espírito Santo em Évora reabre após requalificação de 2,5ME

A Igreja do Espírito Santo, em Évora, construída pelos jesuítas no século XVI, reabre ao p…