Os dois profissionais do sistema de saúde, um homem e uma mulher, suspeitos de falsificarem receitas médicas para obtenção de “elevadas” comparticipações indevidas, no Alentejo, ficaram sujeitos a apresentações quinzenais, após primeiro interrogatório judicial, disse fonte policial.

A mesma fonte adiantou à agência Lusa que, além das apresentações quinzenais na força de segurança da área de residência, os suspeitos, uma farmacêutica e um médico, detidos, na quarta-feira, pela Polícia Judiciária (PJ), ficaram ainda proibidos de contactar entre si e com os funcionários da farmácia.

As detenções tiveram lugar no âmbito de um inquérito tutelado pela Procuradoria do Juízo de Competência Genérica de Ourique, no distrito de Beja, e a PJ, em colaboração com o INFARMED, efectuou, na quarta-feira, cinco buscas, tanto domiciliárias como não domiciliárias, que culminaram nas detenções.

O homem e a mulher são suspeitos de “crimes de burla qualificada e falsificação ou contrafacção de documento, com vista à obtenção do recebimento de comparticipações elevadas, indevidas, pelo Serviço Nacional de Saúde, através da emissão de receituário médico fraudulento”, segundo a PJ.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

ENSE encontrou “elevado incumprimento” nos preços do gás em diversos distritos, Portalegre inclusivé

ENSE encontrou “elevado incumprimento” nos preços do gás em diversos distritos, Portalegre…