As vendas de borrego criado no Alentejo, nesta Páscoa, aumentaram face ao ano passado, muito graças à exportação, mas há produtores que se queixam do aumento dos custos de produção, devido à guerra e à seca.

“O borrego está com uma procura interessante. Estamos a exportar muitos machos” e também “há uma procura maior das fêmeas no mercado interno”, disse à agência Lusa Diogo Vasconcelos, presidente da Associação dos Jovens Agricultores do Sul (AJASUL), sediada em Évora.

Segundo o responsável, a procura por borregos machos, que são os comprados “por Israel e por toda a bacia do Mediterrâneo”, tem sido “constante nos últimos meses” e o preço da carne destes animais tem tido “uma melhoria significativa”, rondando “os 3,50 euros” por quilo.

No distrito de Beja, a venda de borregos também tem estado a “aumentar muito” face a 2021, relatou à Lusa António Lopes, presidente do conselho de administração do agrupamento de produtores pecuários Carnes do Campo Branco, com sede em Castro Verde.

“Já devemos ir entre os 12.000 e os 15.000 borregos vendidos”, revelou, afiançando que já não é só a Páscoa a ‘agitar’ o mercado de ovinos: “Agora, é sempre época alta” para a comercialização, “porque a maior parte vai para fora”.

No Campo Branco, que abrange os concelhos alentejanos de Castro Verde e Almodôvar e parte dos de Aljustrel, Mértola e Ourique, grande parte da produção também segue para Israel.

O preço por quilo tem variado entre “os 3,40 e os 3,50 euros”, uma subida que, ainda assim, “não consegue acompanhar os aumentos das rações”.

“Não estamos a ganhar mais do que no ano passado. Devido à seca, o consumo de rações aumentou de forma brutal” e “ainda hoje há animais a comer à mão”, frisou.

E tudo isto faz com que o preço da carne de borrego seja cada vez mais alto para o consumidor final que, “qualquer dia, chega ao talho e não tem dinheiro para a comprar”.

“Está com preços que não são para ‘a carteira’ de todos. O borrego é a ‘lagosta’ da carne e a nossa sorte é a exportação”, disse.

O mesmo lamento acerca da subida dos factores de produção chega do distrito de Portalegre. A coordenadora do Agrupamento de Produtores Pecuários do Norte Alentejano – Natur-al-Carnes, Maria Vacas de Carvalho, disse que a guerra na Ucrânia fez ‘disparar’ os preços dos transportes, o que influencia o valor da venda de borregos na Páscoa.

Antes da guerra, este agrupamento pecuário pagava “50 euros” pelo frete cobrado pelas transportadoras entre o matadouro situado em Tomar (Santarém) e os canais de distribuição e, nesta altura, paga “71 euros”, exemplifica.

O presidente da AJASUL alude igualmente ao “preço completamente desproporcional e louco das rações” e de outros factores de produção, que corta a margem de lucro aos produtores.

“Estamos a vender borregos mais leves e que nos custaram mais dinheiro. Vendemo-los com 25 quilos, o que nos custou 20 euros, quando, no ano passado, estávamos a vender borregos com 30 quilos, que nos custaram 15 euros”, conta.

Com a seca, “tivemos que lhes dar mais ração” e, devido aos efeitos económicos da guerra na Ucrânia, esses suplementos “estão todos mais caros”, argumentou Diogo Vasconcelos, acrescentando: “Se não tivéssemos tido uma seca, nem uma guerra, estaríamos bem melhor, mas é o que há…”.

RRL/HYT/CYMP // RRL
Lusa

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Comendador Rui Nabeiro recebe Globo de Ouro

O Comendador Rui Nabeiro foi agraciado com um Globo de Ouro. …