É de assinalar o esforço da comunidade científica mundial e igualmente de todos aqueles que directa ou indirectamente estão envolvidos no controlo e combate da doença.
É de assinalar, mas noutro sentido, a corrida ao lucro das multinacionais e o egoísmo dos países ricos que se traduzem num obstáculo à cooperação internacional e à justiça e que fragilizam a humanidade na luta contra o vírus. A união europeia permitiu que os interesses das farmacêuticas se colocassem à frente do interesse dos povos. Daí a vacinação avançar a conta gotas, por via dos constrangimentos existentes na produção, situação que poderia ser ultrapassada com a abertura das patentes dessas farmacêuticas (financiadas com recursos públicos) que permitiria mobilizar mais capacidade produtiva. Estaríamos a falar de maior quantidade de vacinas para chegar em maior número e rapidez à populações acelerando assim a vacinação e por conseguinte salvar vidas e retomar mais cedo a actividade económica e social. Assim pela falta de escrúpulos e humanidade de muito poucos estão milhões de pessoas e empresas a agonizar.
Note-se que entretanto, a Pfizer anunciou que iria facturar em 2021 mais de 15 mil milhões de euros com a sua vacina e a AstraZeneca anunciou que os seus lucros cresceram 159% em 2020, ou seja mais de dois mil e quinhentos milhões de euros.
Estes comem tudo e não deixam nada.

Filipe Mota é licenciado em Gestão e Organização de Empresas pela Universidade de Évora

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Opinião

Veja também

Presidente da República inaugura 37ª Ovibeja, que decorre em versão digital

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai presidir, no dia 22 de Abril, pela…