Cento e oitenta militares das Forças Armadas vão reforçar, até terça-feira, as acções de vigilância aos incêndios em 13 distritos do país em apoio à Protecção Civil face “à manutenção das elevadas temperaturas”, foi hoje anunciado.As patrulhas, 15 do Exército e cinco da Marinha vão reforçar “as acções de vigilância terrestre e patrulhamento dissuasor em 13 distritos de Portugal continental, em apoio à Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) na prevenção de incêndios”, adianta o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA) em comunicado.Segundo o EMGFA, este reforço surge no seguimento do pedido da ANEPC ao Estado-Maior-General das Forças Armadas, com “o objectivo de incrementar as acções de prevenção um pouco por todo o país, com especial incidência nos distritos de Beja, Braga, Bragança, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda, Portalegre, Porto, Santarém e Viana do Castelo, Vila Real e Viseu”.Estes militares somam-se aos 119 que já se encontram nas mesmas funções em grande parte do território nacional, 108 dos quais estão a apoiar o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e nove estão em missões de vigilância, dissuasão e sensibilização da população.Há ainda dois militares que constituem a tripulação do helicóptero “Koala” da Força Aérea, que realizam operações de reconhecimento, avaliação e coordenação de outros meios aéreos no combate aos incêndios rurais.O Estado-Maior-General das Forças Armada sublinha ainda que, através dos seus oficiais de ligação aos Comandos Distritais de Operações de Socorro, mantém o acompanhamento, em permanência, da evolução da situação operacional.???Na sexta-feira, a Protecção Civil avisou a população para o risco muito elevado ou máximo de incêndio rural nas regiões Norte, Centro e Algarve, devido ao tempo quente e seco e ao vento forte previstos para este fim de semana.No aviso, a Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) realça que a subida de temperatura esperada para o Algarve e o vento forte no Litoral Oeste levam ao agravamento do risco de incêndio nestas regiões.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Região

Veja também

Nova empresa luso-brasileira lançada em Évora para “revolucionar” agrofloresta

O CEiiA - Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto e a brasileira ELIO “uniram-se…