As albufeiras portuguesas estavam na segunda-feira a 77% da capacidade, um volume global que tem vindo a aumentar, embora subsistam casos, no sul do continente, com barragens a menos de 20% da capacidade.
Um boletim hoje divulgado pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), sobre as disponibilidades hídricas nas albufeiras a 19 de dezembro, indica que, relativamente à semana anterior, houve um aumento global de 11,8% de água nas 79 albufeiras monitorizadas.
Dessas, a grande maioria, 42, estava entre 81 e 100% da capacidade, 15 estavam entre 61 e 80%, e duas entre 41 e 50%.
Menos bem em termos de armazenamento de água estão 20 barragens, oito delas com uma capacidade entre os 41 e os 50%, nove albufeiras entre 21 e 40%, e três albufeiras abaixo dos 20%.
Os três casos, embora todos registem subidas de armazenamento, são as barragens de Campilhas (08%) e Monte da Rocha (09%) na bacia do Sado, e Bravura (11%), no Barlavento algarvio.
Os dados indicam, em resumo, que mais de metade das albufeiras (53%) têm disponibilidades hídricas superiores a 80% do volume total e 15% estão com menos de 40%. E que, das 15 bacias hidrográficas, sete estavam acima da média para dezembro e oito abaixo da média (de 1990/91 a 2021/22).
De acordo com os dados da APA, a bacia do Douro era a que registava um maior armazenamento, com mais de 90%, seguida das bacias do Ave, Tejo e Vouga, todas acima da média para o mês de dezembro.
As bacias do Alentejo, Mira e especialmente Ribeiras do Barlavento são as que estão com valores inferiores mais longe da média.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Atletismo: Carolina Pingueiro (Barbaris) foi 7.ª classificada no Campeonato Nacional Sub-18 em Pista Coberta

A atleta Carolina Pingueiro, do Barbaris Team de Barbacena, participou, ontem, no Campeona…