O mau tempo que fustigou o concelho de Fronteira, na terça-feira, causou prejuízos “na ordem dos 18 milhões de euros”, disse hoje à agência Lusa o presidente do câmara, Rogério Silva.
“Estes valores englobam os prejuízos quer em património municipal, quer em património da Infraestruturas de Portugal”, disse.
O autarca recordou que a chuva destruiu várias passagens hidráulicas em estradas e pontes, entre as quais o tabuleiro e guardas da ponte histórica da Ribeira Grande.
Provocou também abatimento e aluimentos de terras, nomeadamente na Estrada Nacional (EN) 243 que liga Fronteira a Monforte, entre outros prejuízos, acrescentou.
“Basta contabilizar esta meia dúzia de situações e estamos logo a falar de 10 milhões de euros”, argumentou o presidente do Município de Fronteira.
O autarca indicou ainda que o Centro Ecoturístico da Ribeira Grande foi “arrasado completamente pelas águas, com prejuízos na zona do restaurante, parque de merendas, parque infantil e piscinas”.
“Nas Termas da Sulfúrea, em Cabeço de Vide, temos a envolvente também danificada. A coisa não está fácil”, destacou o autarca.
A chuva intensa e persistente que caiu na madrugada de terça-feira causou mais de 3.000 ocorrências, entre alagamentos, inundações, quedas de árvores e cortes de estradas, afetando sobretudo os distritos de Lisboa, Setúbal, Portalegre e Santarém.
No total, há registo de 83 desalojados, segundo a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), e o mau tempo levou também ao corte e condicionamento de estradas e linhas ferroviárias, que têm vindo a ser restabelecidas.
Na zona de Lisboa a intempérie causou condicionamentos de trânsito nos acessos à cidade, situação que está regularizada na maior parte dos casos.
Em Campo Maior, no distrito de Portalegre, a zona baixa da vila ficou alagada e várias casas foram inundadas, algumas com água até ao teto.
Segundo a ANEPC, estão “cinco planos municipais de emergência ativos”, quatro no distrito de Portalegre e um em Santarém, mantendo-se em estado de alerta amarelo os planos especiais de emergência para as bacias dos rios Tejo e Douro devido ao risco de cheias.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Igreja do Espírito Santo em Évora reabre após requalificação de 2,5ME

A Igreja do Espírito Santo, em Évora, construída pelos jesuítas no século XVI, reabre ao p…