Vamos começar este mês “a correr”.

Por estar mais próxima do Sol, a Terra completa uma volta à nossa estrela mais rápido do que o planeta Marte. Assim, de 26 em 26 meses, a Terra dá uma volta de avanço ao planeta “vermelho”. Mas isso também significa que os dois planetas se encontram no ponto de maior aproximação, a cada 26 meses.

Como a órbita de Marte é mais elíptica do que a da Terra, a maior aproximação entre os dois planetas não ocorre sempre à mesma distância, podendo variar entre os 55 e os 101 milhões de quilómetros. A dia 1 de dezembro de 2022, a Terra alcançou a maior aproximação com Marte em 26 meses, com os dois planetas a uma distância de aproximadamente 82 milhões de quilómetros. Neste dia a Lua passou a apenas 5 graus de Júpiter e no dia 7, o nosso satélite está a cerca de 4 graus de Marte.

Por causa da forma da órbita marciana, apesar da maior aproximação ocorrer no dia 1, o planeta só atinge a oposição, isto é, o ponto em que o Sol, a Terra e Marte estão perfeitamente alinhados, no dia 8 de dezembro. A oposição tem este nome porque, no nosso céu, Marte está perfeitamente oposto ao Sol.

Durante todo o mês de dezembro, os planetas Marte, Júpiter e Saturno estão visíveis logo ao anoitecer, com Marte a ficar cada vez mais alto no céu. Mais para o fim do mês, Vénus volta a aparecer no céu, ainda baixo no horizonte ao anoitecer, e nos dias 28 e 29, Mercúrio, bastante menos brilhante que os restantes, passa a pouco mais de um grau de Vénus.

No dia 14 ocorre o pico da chuva de meteoros das Geminíadas. Esta é das mais intensas chuvas de meteoros do ano, com até 150 meteoros visíveis por hora no máximo (em céus escuros). Infelizmente o pico está previsto ocorrer por volta da uma da tarde e a Lua, em quarto minguante, ilumina o céu durante grande parte da noite. Ainda assim, como as Geminíadas produzem meteoros bastante brilhantes, a noite de 13 para 14 deverá ser interessante para os caçadores de “estrelas cadentes”.

No dia 21 de dezembro, às 21:48, ocorre o solstício de Inverno (no hemisfério Norte). Esta é a noite mais longa do ano! O Sol no Porto nasce às 7:57 e a põe-se às 17:09, com o dia a durar 9 horas e 12 minutos. Em Bragança o dia dura 9h08min (das 7:51 às 16:59), em Coimbra 9h18min (das 7:53 às 17:11), em Lisboa 9h27min (das 7:51 às 17:18), em Faro 9h37min (das 7:41 às 17:18). Já no arquipélago dos Açores (Ponta Delgada), o dia dura 9h33min (das 7:54 às 17:27), enquanto na Madeira (Funchal), o dia dura 10 horas certas (das 8:05 às 18:05).

A palavra solstício é de origem latina (deriva de Solstitium, que significa “Sol parado”) e está associada à ideia de que o Sol, ao atingir a sua mais alta (verão) ou mais baixa (inverno) posição no céu, devia estar estacionário. Isto verifica-se na duração do dia, que é basicamente a mesma, ao minuto, nos 4 dias imediatamente antes e 4 dias imediatamente depois do solstício.

Na véspera de Natal, um finíssimo crescente da Lua, acabadinha de sair da lua nova, forma um triângulo no céu com Vénus e Mercúrio, logo a seguir ao Sol se pôr. Mas não se distraiam, porque só se vê durante cerca de 45 minutos, com a Lua e Vénus a desaparecerem abaixo do horizonte por volta das 18h15.
No dia 26 a Lua passa a pouco mais de 4 graus de Saturno e no dia 29, a cerca de 3 graus de Júpiter.

Boas observações, boas festas e votos de um 2023 mais pacífico.

Ricardo Cardoso Reis (Planetário do Porto e Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço)

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Politécnico de Portalegre assina contrato de financiamento para investigar potencial da Dieta Mediterrânica

Projeto pioneiro é o único com apoio no âmbito da iniciativa “Alimentação Sustentável" que…