O advogado de um dos sete militares da GNR que começaram hoje a ser julgados por sequestro e agressão a imigrantes em Odemira disse que espera a absolvição do seu cliente, alegando que este não participou nos maus-tratos.
Em declarações aos jornalistas, Luís Cruz Campos, advogado do militar da GNR João Lopes, afirmou que “não há provas” de que o seu cliente tenha participado nos casos de sequestro e agressões registados em vídeo que estão a ser julgados.
Segundo o advogado, o arguido João Lopes “não aparece em qualquer imagem”, mas foi acusado pelo Ministério Público (MP) e está a ser julgado porque “houve um reconhecimento de voz por parte do comandante de posto”.
“Espero fazer prova de que a voz não é dele, é fácil de ver, e que ele saia absolvido”, adiantou.
O Tribunal de Beja começou hoje a julgar os sete militares da GNR acusados pelo MP de um total de 33 crimes contra imigrantes em Odemira, como sequestro e agressão, em casos ocorridos em 2018 e 2019.
João Lopes foi o único dos sete militares da GNR que estão a ser julgados que se apresentou na primeira sessão do julgamento com farda da Guarda.
Questionado pelos jornalistas, o advogado Luís Cruz Campos indicou que o seu cliente não prestou esta manhã declarações perante o coletivo de juízes que está a julgar o caso porque “não é o momento certo”.
“Vamos analisar corretamente o que vai suceder” durante o julgamento e, depois, “tomar a decisão se presta ou não declarações”, referiu.
Manifestando “tristeza” em relação aos factos que estão a ser julgados, o advogado considerou que “a GNR merece mais” e que “é triste para um país, com uma democracia com cerca de 50 anos, que existam comportamentos como aqueles que se vêem nos vídeos”.
“A censura que faço é porque, realmente, o censuro como pessoa e como advogado”, acrescentou.
O militar da GNR João Lopes já tinha sido condenado no processo que deu origem a este, com uma pena suspensa de cinco anos de prisão e, como pena acessória, a dois anos e seis meses de proibição de exercício de funções.
O processo anterior, envolvendo sequestro, violação de domicílio e agressões a imigrantes em Odemira, foi julgado em 2020 por um coletivo de juízes no Tribunal de Beja.
O novo processo teve origem quando a Polícia Judiciária apreendeu os telemóveis de cinco militares suspeitos de maus-tratos a imigrantes em Odemira, tendo encontrado vídeos e imagens.
Este processo, segundo a acusação do MP, envolve quatro casos de sequestro e agressão de imigrantes por militares da GNR, então colocados no Posto Territorial de Vila Nova de Milfontes, em Odemira (Beja), ocorridos entre setembro de 2018 e março de 2019.
No despacho de acusação, de 10 de novembro de 2021, o MP referiu que os arguidos, “agiram em manifesto ódio” pelas vítimas, “claramente dirigido” às nacionalidades dos imigrantes, da região do Indostão.

SM (RRL) // MLS
Lusa

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Politécnico de Portalegre assina contrato de financiamento para investigar potencial da Dieta Mediterrânica

Projeto pioneiro é o único com apoio no âmbito da iniciativa “Alimentação Sustentável" que…