A Assembleia Municipal de Marvão aprovou, por maioria, uma moção de censura ao presidente da câmara (PSD), na sequência da decisão do Tribunal de Portalegre, que condenou o autarca por um crime de corrupção passiva.
O presidente do Município de Marvão, Luís Vitorino (PSD), foi condenado a três anos de prisão, com pena suspensa, e a perda de mandato por um crime de corrupção passiva, segundo um acórdão consultado pela agência Lusa no dia 15 deste mês.
A moção de censura foi apresentada pelos eleitos do PS, tendo sido aprovada na noite de sexta-feira, em reunião ordinária da Assembleia Municipal de Marvão, com 11 votos a favor dos eleitos do PS, cinco abstenções de eleitos do PSD e três votos contra, sendo um voto contra de um eleito do PSD e dois de outros tantos eleitos pelo CDS-PP.
Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, o PS de Marvão considera que o resultado da votação “foi um sinal evidente” de que Luís Vitorino “deixou de contar com a confiança” dos eleitos na Assembleia municipal e da população daquele concelho.
“Neste sentido, ficou claro que o presidente não possui condições para se manter em funções, apesar da sua recusa em aceitar esta situação”, acrescentam os socialistas no documento.
De acordo com o acórdão, proferido pelo coletivo de juízes do Tribunal de Portalegre, o processo envolve, além do autarca, mais três arguidos, um deles absolvido e os outros dois condenados por crimes de corrupção ativa, igualmente com penas suspensas.
Os juízes, na decisão, aludem a um “plano” entre os arguidos para que a Junta de Freguesia de São Salvador de Aramenha (JFSSA), no concelho de Marvão, devolvesse verbas ao Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP) no âmbito de uma candidatura ao programa ProDer – Defesa da Floresta contra incêndios, efetuada a 15 de março de 2009 e aprovada a 05 de maio de 2010, num valor superior a 74 mil euros.
No processo, é possível ler que Luís Vitorino, à data da apresentação da candidatura da JFSSA, “desempenhava as funções de Técnico do Gabinete Florestal” do município e “foi o responsável pela gestão do processo” dessa mesma candidatura, tendo, mais tarde, passado a ser vice-presidente da Câmara de Marvão “entre os anos de 2009 e Outubro de 2017 [com] o pelouro da Floresta e Agricultura”.
Luís Vitorino, que foi contactado também no dia 15 deste mês pela Lusa para reagir a esta decisão do tribunal, escusou-se a comentar o acórdão, o qual ainda não transitou em julgado, mas adiantou na altura que iria recorrer desta decisão.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Politécnico de Portalegre assina contrato de financiamento para investigar potencial da Dieta Mediterrânica

Projeto pioneiro é o único com apoio no âmbito da iniciativa “Alimentação Sustentável" que…