A China acaba de publicar um Livro Branco intitulado “O Sistema de Navegação por Satélites BeiDou da China na Nova Era”. O documento resume a história de desenvolvimento do sistema BeiDou (BDS, na sigla em inglês) e demonstra a capacidade e o desenvolvimento industrial na nova era chinesa.

Foi em 1994 que a China começou a trabalhar, de forma independente, na criação deste novo sistema. Hoje ele tornou-se um sistema global de navegação por satélite a nível mundial, com tecnologia avançada, design líder e funções poderosas.

Nos últimos 10 anos, o sistema BDS entrou numa etapa de desenvolvimento rápido. Hoje, ele é comparável com o GPS dos EUA, o Galileo da União Europeia e o GLONASS da Rússia, fornecendo uma ampla gama de serviços aos utentes de todo o mundo, tais como posicionamento, navegação, cronometragem, busca e resgate internacional. Actualmente, os serviços do BDS têm mais de 1,5 mil milhões de utilizadores de mais de 230 países e regiões.

No início do desenvolvimento deste sistema, a construção, aplicação e cooperação internacional eram consideradas como uma “troica”. Actualmente, o BDS tem protocolos de compatibilidade e operação mútua com os sistemas GPS e GLONASS, além de coordenar frequências com o sistema Galileu. Ao mesmo tempo, a China estabeleceu mecanismos de cooperação com muitas organizações regionais e países da Ásia, África e América Latina, e assinou mais de 50 protocolos desde 2016, incluindo acordos, memorandos de entendimento e roteiros de cooperação na navegação por satélite.

Entre estes destacam-se a Mensagem Curta de BDS e o Serviço Internacional de Busca e Salvamento. Anteriormente, uma pessoa que procurava ajuda enviava uma mensagem a uma organização internacional de busca e salvamento não sabia se a outra parte a tinha recebido, e era um processo de sentido único. O sistema BDS permite uma comunicação bidireccional, o que é um grande impulso moral para os que procuram ajuda e uma contribuição para o trabalho das organizações internacionais.

Refira-se que o Livro Branco também estabelece um plano para o desenvolvimento do BDS até 2035. A China vai construir uma nova geração de sistema, com tecnologia mais avançada, funções mais poderosas e melhores serviços.

Isto significa que, nessa altura, as pessoas poderão desfrutar da tecnologia espaço-tempo segura e fiável fornecida pelo sistema BDS, independentemente da hora do dia ou do local do mundo, o que irá beneficiar a Humanidade.

Conteúdo Institucional CMG.

Artigo publicado em parceria com a Associação Portuguesa de Imprensa

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Ana Maria Santos
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Servilusa vence Prémio Mercúrio

A Servilusa - Agências Funerárias foi a empresa vencedora do Prémio Mercúrio 2022, na cate…