Um projecto liderado pela Universidade de Évora (UE), com financiamento superior a dois milhões de euros pelo Programa LIFE, pretende melhorar o estado de conservação dos zimbrais existentes nas dunas costeiras em Portugal, foi hoje revelado.
O Projecto Zimbral for LIFE, liderado pelo MED – Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento da UE, foi contemplado com um financiamento “superior a dois milhões de euros para preservar os zimbrais dunares”, através do Programa LIFE – Nature and Biodiversity.
Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, a Universidade de Évora indicou que a iniciativa reúne especialistas de cinco instituições portuguesas e espanholas, sendo coordenado na academia alentejana pela investigadora do MED Catarina Meireles, em colaboração com a investigadora Cristina Baião e o professor Carlos Pinto Gomes.
Um dos objetivos do projeto, que arrancou no passado mês de outubro e vai ser desenvolvido nos próximos seis anos, é o de “colmatar as lacunas no conhecimento sobre a biologia e ecologia” das plantas de zimbro, nome popularmente dado à espécie Juniperus spp.
Testar e avaliar práticas de gestão, diminuir o impacto das principais ameaças, melhorar a estrutura e função, aumentar a área de ocorrência destas plantas e, igualmente, elaborar um Plano Nacional de Conservação para este habitat são os outros objetivos do projeto.
O zimbro existe “em várias zonas de matagais litorais e dunares na costa atlântica portuguesa”, nomeadamente a sul da Figueira da Foz, em Peniche, Sintra, Tróia e Costa Vicentina, “formando comunidades arbustivas que são cada vez mais raras e ameaçadas”, realçou a UE.
“As alterações do uso do solo, nomeadamente a pressão urbanística e turística, ou a propagação de espécies exóticas invasoras, como as acácias e o chorão-das-praias, têm ameaçado os zimbrais portugueses”, que já são considerados “um habitat prioritário para a conservação dentro da Rede Natura 2000”, alertou a instituição.
O interesse na preservação desta vegetação, “além do seu elevado valor intrínseco”, está ligado ao facto de ser “uma espécie endémica com um elevado valor de conservação”.
Constitui ainda o habitat de alimentação, refúgio e reprodução de insetos, aves, répteis e anfíbios, bem como fauna vertebrada terrestre associada às dunas, explicou a universidade.
Do financiamento total para o Projeto Zimbral for LIFE de quase 2,084 milhões de euros, cerca de 1,44 milhões destinam-se à UE, que se vai centrar em ações concretas de conservação e restauro de habitats em três Zonas Especiais de Conservação: Comporta/Galé, Costa Sudoeste e Ria Formosa/Castro Marim, precisou a universidade alentejana.
O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), a Associação de Desenvolvimento da Natureza e Ambiente – Rewilding Sudoeste (RWSW), a empresa de consultoria especializada em biodiversidade, ecologia, ambiente e recursos naturais FloraData e o Centro de Investigação Científica e Tecnológica da Estremadura espanhola também colaboram no projeto.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Chuva intensa provocou 65 inundações nos distritos de Évora e Portalegre

A chuva intensa que caiu hoje no Alentejo provocou 65 inundações, até às 20:00, em vias pú…