A associação ambientalista Quercus criticou hoje a aprovação “de um dia para o outro” pelo Governo da classificação do Empreendimento de Aproveitamento Hidráulico de Fins Múltiplos (EAHFM) do Crato como de interesse público nacional.
Em comunicado, a Quercus manifestou-se contra o facto de o Governo ter constituído o EAHFM do Crato adotando “medidas excecionais”, com a classificação do projeto como empreendimento de interesse público nacional, através do Decreto-Lei nº 62/2022, publicado na segunda-feira em Diário da República (DR) e que entrou hoje em vigor.
Segundo os ambientalistas o Governo “constitui e aprova” o empreendimento, também conhecido como Barragem do Pisão, “em termos ambientais de um dia para outro”.
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou no dia 20 deste mês o diploma do Governo, aprovado no passado dia 01 em Conselho de Ministros, que constituiu o EAHFM do Crato e que adotou medidas excecionais para a sua concretização.
Também a 01 de setembro, o projeto obteve a Declaração de Impacte Ambiental (DIA) “favorável condicionada”, tendo o respetivo Título Único Ambiental (TUA) sido publicado dias depois na página de Internet da Agência Portuguesa do Ambiente (APA).
Na altura, contactado pela agência Lusa, o presidente da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA), Hugo Hilário, explicou que o decreto-lei visa “facilitar” e “dar um regime especial” ao projeto de construção do empreendimento, para que o mesmo seja executado.
De acordo com o presidente da CIMAA, entidade responsável pela execução do projeto, um processo desta “dimensão” e “complexidade” conta com uma série de procedimentos “administrativos, formais e jurídicos” que são “complexos” ao longo da sua execução.
No documento enviado hoje à Lusa, a Quercus alerta que o Estudo de Impacte Ambiental (EIA) “não avaliou” alternativas de localização do empreendimento e estima que “37.960 azinheiras e 1.843 sobreiros em povoamento sejam destruídos” pelo projeto.
“A Quercus contesta as medidas excecionais e interesse público para um projeto de regadio que apenas usou o argumento do abastecimento público para que a Comissão Europeia viabilizasse o financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR)”, pode ler-se no comunicado.
Para o abastecimento público de água na região, a Quercus defende que se deve “aproveitar dignamente” as albufeiras de Póvoa e Meadas (Castelo de Vide) e da Apartadura (Marvão), que estão construídas, “modernizando-as e reforçando-as”, em vez de as autoridades se darem “ao luxo” de construir uma nova barragem.
“Inundar 724 hectares, destruir os ecossistemas existentes, cortar 40 mil azinheiras e sobreiros num montado produtivo e singular e deslocar o aglomerado urbano do Pisão na sua totalidade, movendo pessoas e bens sem se saber ainda para onde e como, dá que pensar sobre as opções e decisões tomadas à revelia de todos os pareceres das Organizações Não Governamentais de Ambiente”, pode ler-se ainda no comunicado.
O empreendimento vai envolver um investimento total de 171 milhões de euros, dos quais 120 milhões estão inscritos no PRR.
Segundo o cronograma submetido à Comissão Europeia, as obras estarão terminadas em 2025.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Voluntários doaram sangue em Santo António das Areias

A Associação de Dadores Benévolos de Sangue de Portalegre (ADBSP) realizou mais uma colhei…