Realizou-se, em 23 e 24 de junho, em formato virtual, a 14ª Cúpula do BRICS, sob a presidência de turno da China, com o tema “Promover uma Parceria de Alta Qualidade e Inaugurar uma Nova Era para o Desenvolvimento Global”.

Conteúdo Patrocinado. Artigo publicado em parceria com a Associação Portuguesa de Imprensa

“Neste momento crítico da História, é vital para o Mundo que façamos a escolha certa e actuemos de forma responsável” – alertou o Presidente chinês no discurso que dirigiu à 14ª reunião de líderes dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Xi Jinping apelou aos BRICS para unirem forças para avançar juntos para o futuro.

Foi uma reunião importante, tendo como pano de fundo uma situação complexa. A pandemia do Covid-19, a lenta recuperação da economia mundial, os riscos geopolíticos da crise da Ucrânia, o ressurgimento do conceito de Guerra Fria e da política de blocos – tudo isto tem grande impacto na segurança e no desenvolvimento dos BRICS.

Mas as crises tanto podem trazer desordens como dar origem a mudanças, dependendo da resposta que lhes é dada.

Como representantes de países de mercados emergentes e países em desenvolvimento, o mecanismo de cooperação dos BRICS, após 16 anos de actividade, dispõe de condições e arrojo para estar à altura da ocasião e transformar as crises em oportunidades. Em termos de transacções, por exemplo, o comércio entre os países BRICS aumentou 300% em 2021 em comparação com 2006, o que o torna o grupo um motor para a recuperação e crescimento económico mundial.

Sendo o maior país dos BRICS em termos de produção económica, a China está novamente a presidir à organização, “propondo-se apostar na cooperação e desenvolvimento para enfrentar os riscos e desafios e manter a paz e a tranquilidade mundiais”.

Relativamente à segurança global, a Declaração de Pequim, documento aprovado na Cúpula dos BRICS, deixa claro que a China “apoia as negociações entre a Rússia e a Ucrânia”, traduzindo a vontade destes países em proteger a paz mundial.

Promover o desenvolvimento global

No passado mês de Abril, a cidade de Xiamen, no sul da China, acolheu a feira do BRICS, onde o vinho da África do Sul, o café do Brasil, as especiarias da Índia e o chocolate da Rússia se tornaram os produtos de maior procura nos negócios on-line transnacionais. Segundo as estatísticas, em apenas 16 dias, a venda destes produtos em diversas plataformas de e-comércio chegou a 270 milhões de yuans (cerca de 40 milhões de euros).

Na reunião, o Presidente Xi Jinping deu uma resposta clara à questão de saber se os BRICS irão expandir o seu número de membros, o que é motivo de preocupação para o mundo exterior.

“Integrar novos membros trará uma nova vitalidade à cooperação BRICS, e também reforçará a representatividade e a influência dos nossos países” – afirmou Xi Jinping.

Recorde-se que em 2021 o Novo banco de Desenvolvimento BRICS admitiu, como novos membros, os Emiratos Áreabes Unidos, o Uruguai, o Bqngladesh e o Egipto.

A Declaração de Pequim adoptada nesta reunião afirma, claramente: “Apoiamos os debates para fazer avançar o processo de alargamento dos BRICS”.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Ana Maria Santos
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Pandemia não alterou estabilidade económica da China

Duas conferências de Imprensa promovidas pelas autoridades chinesas mereceram grande atenç…