Ignorando a firme oposição previamente manifestada pela China, a Presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, visitou a região de Taiwan no dia 2 de Agosto.

Foi uma grave provocação política, que viola seriamente o princípio de uma só China, as disposições dos três comunicados conjuntos China-EUA, a soberania e a integridade territorial da China, afectando as relações sino-americanas.

Segundo os dirigentes chineses, este incidente demonstra, uma vez mais, que certos políticos que apoiam os separatistas de Taiwan são os principais destruidores da paz no Estreito de Taiwan e no resto do Mundo. E acrescentam que a China tomará todas as medidas necessárias para salvaguardar a soberania nacional e a integridade territorial.

Os mesmos dirigentes recordam que a Declaração do Cairo de 1943 e a Proclamação de Potsdam de 1945 deixaram claro que não há disputa na comunidade internacional sobre a soberania territorial da China sobre Taiwan. Os três comunicados conjuntos que estabelecem relações diplomáticas entre a China e os Estados Unidos estipulam claramente que os americanos reconhecem que existe apenas uma China, que Taiwan faz parte da China e que o Governo da República Popular da China é o único governo legítimo.

O facto de 181 países em todo o mundo terem estabelecido relações diplomáticas com a China com base no princípio de uma só China demonstra que este é o consenso da comunidade internacional sobre a questão.

Desde que a actual administração dos EUA tomou posse, comprometeu-se repetidamente a defender a política de uma só China e a não apoiar a “independência” de Taiwan. O Congresso dos EUA é parte integrante do governo dos EUA, pelo que deve respeitar estritamente a política de uma só China.

A visita de Pelosi a Taiwan tem claros objetivos políticos. Por um lado, tenta desafiar os interesses centrais da China para apoiar o seu Partido Democrata, que está em renhida competição nas eleições de meio de mandato dos EUA. Por outro lado, Pelosi quer aproveitar esta visita para “enfeitar” a sua carreira.

O comportamento político aventureiro de Pelosi agravou ainda mais a situação no Estreito de Taiwan, com impacto na paz e na estabilidade da região da Ásia-Pacífico, revelando a verdadeira face dos EUA e sacrificando outros ao seu próprio egoísmo.

Agora, Pelosi deveria pensar mais sobre como explicar as graves consequências desta aventura política para os Estados Unidos, numa altura em que a inflação nos EUA está “a explodir” e os líderes americanos reiteraram, recentemente, o seu desejo de cooperar com a China em áreas onde os interesses convergem. Com a viagem de Pelosi desafiando os interesses centrais da China, qual é a base para a cooperação entre os EUA e a China?

O New York Times publicou um comentário afirmando que a visita de Pelosi a Taiwan foi “extremamente imprudente, perigosa e irresponsável”. Por outro lado, o Primeiro-Ministro de Singapura, Lee Hsien Loong, durante o seu encontro com Pelosi a 1 de Janeiro, já havia salientado a importância de uma relação estável EUA-China para a paz e segurança naquela região.

Os dirigentes chineses asseguram que a visita de Pelosi a Taiwan não mudará o facto histórico e legal de que Taiwan pertence à China, nem vai interromper a tendência histórica de reunificação completa do país.

Conteúdo institucional

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Ana Maria Santos
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Nissan apresenta novo ARIYA

A Nissan vai dar a conhecer o seu crossover 100% eléctrico, o novo ARIYA. …