A delegação do Alentejo da DECO – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor denunciou à Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) a alegada “fraca qualidade do serviço” de comunicações electrónicas existente numa aldeia da região.
Em declarações à agência Lusa, Neide Brás, jurista da delegação do Alentejo da DECO, indicou que a associação apresentou uma denúncia à Anacom, no dia 11, sobre o serviço da Altice Portugal em Vale do Pereiro, no concelho de Arraiolos (Évora).
“Denunciámos a situação junto da entidade reguladora, a Anacom, no sentido de a alertar para a existência deste problema e tentar que, de alguma forma, se posicione para garantir os direitos dos consumidores”, afirmou.
A jurista da DECO falava sobre um comunicado da delegação do Alentejo que alerta para a “fraca qualidade do serviço” de comunicações nesta aldeia, cujos cerca de 200 habitantes vivem “sem acesso à internet, telefone e televisão”.
Segundo Neide Brás, a DECO Alentejo tem recebido, desde Maio deste ano, reclamações de “alguns consumidores” de Vale do Pereiro sobre a indisponibilidade do serviço de comunicações electrónicas, nomeadamente internet e televisão.
“Houve pessoas que ficaram cerca de duas semanas sem o serviço”, relatou, salientando que, mesmo após o serviço ser reposto pela operadora, alguns consumidores “continuam a ter interrupções e cortes esporádicos durante o dia”.
Outros clientes, adiantou a jurista, queixam-se que “nunca conseguem atingir os níveis de velocidade de internet que tinham sido contratados” e que o serviço de televisão fica sem imagem “durante várias horas e, às vezes até, durante vários dias”.
De acordo com a responsável, a associação de defesa de consumidor já contactou a Altice Portugal e a resposta da empresa foi que “não tinha registo de participações de anomalias ou que a situação já tinha sido reposta”.
“Mas o que é certo é que estes constrangimentos continuam a verificar-se”, assinalou, lembrando que uma equipa da delegação do Alentejo da DECO deslocou-se à aldeia, em Junho passado, para ouvir os consumidores.
Advertindo que a rede de comunicações móveis também “é quase inexistente” na zona, Neide Brás contou que o problema “não permitiu que os consumidores comunicassem a existência desta avaria junto da própria MEO”, que pertence à Altice Portugal.
“A MEO exigia que as reclamações fossem apresentadas através do número associado ao contrato, mas, sem linha activa e rede móvel, os consumidores estavam literalmente incontactáveis e não conseguiam contactar a ninguém”, notou.
A jurista considerou a situação ainda “mais gravosa” tendo em conta o “valor exorbitante” que estes consumidores pagam de serviços de telecomunicações, referindo que as facturas mensais vão desde os 50 até aos 100 euros.
“A situação não é exclusiva de Vale do Pereiro”, ressalvou, acrescentando que existem “situações idênticas relatadas por vários consumidores” em várias aldeias da região alentejana.
A agência Lusa contactou com a Altice, mas a empresa remeteu esclarecimentos para mais tarde.

SM // MCL
Lusa

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Universidade de Évora vai ‘ganhar’ mais 105 camas com apoio do PRR

Mais 105 camas de alojamento estudantil vão ‘nascer’ na Universidade de Évora (UÉ), para u…