A União de Freguesias do Espírito Santo, Nossa Senhora da Graça e S. Simão vai assinalar o Centenário de nascimento do poeta e ilustre cidadão nisense, José Gomes Correia, nascido em Nisa em 22 de Junho de 1922 e falecido em 2 de Julho de 1983.
Filho António de Oliveira Correia e de Joaquina Gomes Castanho, José Gomes Correia licenciou-se em Direito e em Nisa foi secretário judicial e professor no Externato D. Dinis. É dele o discurso de inauguração do Hospital da Misericórdia de Nisa, em Abril de 1960. Foi um dinâmico animador cultural, contribuindo para a criação do Rancho Típico das Cantarinhas de Nisa, em 1964, para o qual escreveu algumas “modas” e “marchas” e foi presidente da direcção da Banda Municipal de Nisa.
Em 1966 foi nomeado para o cargo de Delegado do Ministério Público junto do Tribunal de Trabalho de Lourenço Marques e mais tarde Conservador do Registo Civil de Inhambane, assumindo, também, as funções de Juiz, nas ausências ou inexistência do mesmo. Reformou-se como Conservador do Registo Civil e regressou a Portugal em 1976 já depois da Declaração de Independência daquela ex-colónia em 25 de Junho de 1975, indo residir em Santarém onde, após inscrição na Ordem dos Advogados, exerceu advocacia, mas, por pouco tempo, devido a problemas de saúde.
Como poeta escreveu dois livros “Sonhos que morrem, sombras que ficam” (1942) e “Seara do bem e do mal” (1963), no qual revela o seu grande amor à sua e nossa terra, às nossas gentes e ao Alentejo. O primeiro, há muito esgotado, tem agora uma 2a edição patrocinada pela União de Freguesias do Espírito Santo, Nossa Senhora da Graça e S. Simão. José Gomes Correia colaborou em jornais e revistas de cultura, nomeadamente o “Correio de Nisa” e a revista “Estudos de Castelo Branco”, cidade onde estudou, entre outros.
A União de Freguesias do Espírito Santo, Nossa Senhora da Graça e S. Simão, concelho de Nisa, não quis deixar passar em claro esta data tão simbólica e vai assinalar no próximo sábado, dia 25 de Junho, com uma sessão de Evocação e Reconhecimento do Centenário do nascimento deste ilustre poeta e cidadão. A sessão decorrerá na sede da União de Freguesias e dela constará a leitura de poemas por antigos alunos do professor José Gomes Correia, a evocação do seu perfil social e humanista e o lançamento da 2a edição do livro “Sonhos que morrem, Sombras que ficam…”, há muito esgotado, seguindo-se o descerramento das placas toponímicas na rua da Urbanização das Amoreiras a que foi atribuído o nome deste poeta Nisense.
Este é, na opinião do presidente da União de Freguesias, João Malpique Rufino, “um modesto contributo e um justo reconhecimento pela memória do cidadão e do poeta e uma forma de lembrar às gerações actuais e vindouras, a sua inestimável contribuição para a cultura desta terra bordada de encantos.”

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Região

Veja também

PJ detém homem e mulher suspeitos de falsificarem receitas médicas no Alentejo

Dois profissionais do sistema de saúde, um homem e uma mulher, foram detidos no Alentejo p…