A campanha rodoviária “Cinto-me Vivo” arranca hoje em todo o país até 27 de junho, para alertar os condutores e passageiros para a importância de usarem sempre e de forma correta os dispositivos de segurança.
A campanha, inserida no Plano Nacional de Fiscalização 2022, junta a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), a PSP e a GNR e terá ações de sensibilização e de fiscalização no continente e nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira.
As ações de sensibilização da campanha “Cinto-me Vivo” ficam a cargo da ANSR, enquanto cabe à PSP e à GNR, nas suas áreas de jurisdição, as operações de fiscalização, “com especial incidência em vias e acessos com elevado fluxo rodoviário”, de forma a contribuir para “a diminuição do risco de ocorrência de acidentes e para a adoção de comportamentos mais seguros por parte dos condutores na correta utilização dos dispositivos de segurança”.
Segundo informações enviadas à Lusa, as ações de sensibilização e as operações de fiscalização decorrerão em simultâneo, com operações hoje, às 14:00, na  Praça Duque de Saldanha, em Lisboa, e na quarta-feira, às 08:00, na EN125, Km 89,9, na Rotunda das 4 Estradas, em Albufeira.
No dia 23, às 09:30, será em Beja, na Rua Zeca Afonso (alternativa: Rua Cidade de S. Paulo). A 24 de junho, às 08:00, decorrerá na EN18, em Penha, Portalegre e a 27 de junho, pelas 10:00, na Avenida 1.º de Maio, em Paivas, Seixal.
Na mesma nota, a ANSR, a PSP e a GNR lembram que “a utilização dos dispositivos de segurança é fundamental e apelam a todos para que os utilizem de forma correta”.
Sublinham que, “numa colisão, um veículo para numa fração de segundo e os ocupantes, caso não usem cinto de segurança, continuam a seguir na direção do movimento com uma velocidade igual à que seguia o veículo no instante inicial do acidente”.
Dão como exemplo uma colisão frontal a 50 km/h, em que “um condutor com 70kg, sem cinto de segurança, sofre um impacto equivalente a uma queda livre de um terceiro andar”.
Igualmente alertam que, no caso dos motociclos, “o uso do capacete de modelo aprovado, devidamente apertado e ajustado, reduz em 40% o risco de morte em caso de acidente”.
Está igualmente comprovado, adiantam, que “a utilização correta de cadeirinha de bebé homologada e adaptada ao tamanho e peso da criança, reduz em 50% o risco de morte”.
“Em crianças até aos 18 Kg, a utilização de uma cadeirinha voltada para a retaguarda, combinada com a utilização de cinto de segurança, reduz até 90% o risco de lesões graves ou morte”, referem.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Deputados do PS por Portalegre querem investimento do Governo na Linha do Leste

Os dois deputados do PS eleitos pelo círculo eleitoral de Portalegre anunciaram esta seman…