O presidente da Comissão Política Distrital de Portalegre do Chega, Júlio Paixão, pediu a demissão do cargo, mas vai continuar como militante do partido, alegando “falta de quórum” da estrutura, disse hoje o próprio em declarações à agência Lusa.
“O principal motivo é por não ter quórum, mais elementos. A mesa [comissão política] já não existe, não tenho já vice-presidentes, embora não tenham apresentado a demissão, afastaram-se”, disse.
Júlio Paixão referiu que enviou já esta semana a carta de demissão para o Chega e que está nesta altura a “aguardar” que o partido liderado por André Ventura “aceite ou não” o seu pedido de demissão do cargo.
Além da falta de quórum, Júlio Paixão explicou que uma parte dos militantes do Chega em Portalegre afastaram-se das atividades desenvolvidas pelo partido por “falta de tempo” e também devido à contratação da antiga deputada do PAN Cristina Rodrigues para a assessoria do grupo parlamentar do Chega.
“Houve grande debandada, quer da parte dos meus colaboradores, que estavam comigo, quer de militantes”, disse.
Contactado pela Lusa, o secretário-geral do Chega, Pedro Pinto, referiu que o partido “agradece” o trabalho desenvolvido por Júlio Paixão nos últimos anos, acrescentando que vão ser convocadas eleições para a distrital de Portalegre “o mais rápido possível”.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Bombeiros ameaçam não transportar doentes com alta hospitalar

A Liga dos Bombeiros Portugueses vai pedir audiências ao Presidente da República e ao prim…