O Governo conseguiu desbloquear 50 milhões de euros que faltavam para concluir na totalidade quatro obras da expansão do regadio do Alqueva, que poderiam ser ‘amputadas’ devido à subida dos custos de construção, foi hoje anunciado.
No encerramento de um colóquio na feira agropecuária Ovibeja, em Beja, a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, disse que “o Governo conseguiu desbloquear as verbas necessárias para a concretização” das quatro obras “muito importantes, apesar da subida dos custos de construção e da instabilidade internacional”.
Trata-se dos blocos de rega de Póvoa/Amareleja, que “será concretizado sem redução da área inicialmente prevista”, Vidigueira, Reguengos e Messejana, sendo que este incluirá a ligação à albufeira do Monte da Rocha.
“Para assegurar a conclusão destas quatro obras, o Ministério da Agricultura e Alimentação abrirá, em breve, um aviso de 50 milhões de euros para que sejam executados na totalidade”, no âmbito do Programa Nacional de Regadios (PDR).
Em declarações aos jornalistas após o colóquio, a ministra explicou que, devido ao “aumento dos custos associados à construção, seria necessário “diminuir uma área que estava prevista em relação a alguns dos blocos da expansão de Alqueva”.
No entanto, explicou, o Governo, através do Programa de Desenvolvimento Rural, conseguiu “aumentar a dotação disponível para concluir este investimento com a área que estava prevista inicialmente”.
O Governo vai “abrir em maio este aviso” para ser possível “financiar na íntegra” as obras e concretizar “a área prevista”, adiantou.
“Queremos assim dar as condições para assegurar a vitalidade das zonas rurais, em íntima ligação com outras atividades, promovendo uma gestão ativa do território” e “contribuir para a melhoria da qualidade dos solos, assegurando a viabilidade da agricultura familiar”, frisou, no encerramento do colóquio.
Segundo a ministra, “o desenvolvimento do Alqueva é o exemplo mais claro dos benefícios deste significativo investimento público”.
Em declarações às Lusa, o presidente da Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), José Pedro Salema, considerou o anúncio da ministra “uma boa notícia”, porque vai permitir “resolver um problema” que surgiu há dois anos, “em particular, nos últimos meses”, com o aumento dos custos de construção.
O responsável precisou que as quatro obras implicam um investimento total de 177 milhões de euros e que a EDIA, através do PNR, já tinha assegurado 127 milhões, aos quais se juntam agora os 50 milhões.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Castelo de Vide atribui medalha de ouro municipal a título póstumo a Salgueiro Maia

A Câmara de Castelo de Vide vai atribuir na sexta-feira a medalha de ouro do município, a …