Sandra Carvalho, enfermeira no Hospital de Santa Luzia, em Elvas, lançou uma campanha de angariação de fundos para ajudar quem ficou na Ucrânia, quer fosse “para lutar ou porque não conseguiram sair ou não o quiseram fazer”.

“Sou enfermeira de profissão e desde sempre solidária com todas as situações que impliquem sofrimento humano. Vivemos actualmente um período muito difícil para todos e, após dois anos de pandemia que tantas vidas levou, neste momento a situação é mais difícil ainda para quem está a passar por uma guerra, a perder os seus entes queridos, a deixar o seu país sem nada, apenas com o objectivo de salvar a vida”, começou por referir.

“Todos os dias assistimos a imagens terríveis, que nos chocam e nos tocam de uma maneira tão profunda que, mais uma vez, trouxe ao de cima o quanto solidário o povo português consegue ser. Por este motivo, eu não poderia deixar de me envolver e de ajudar os que neste momento estão no terreno a socorrer todos aqueles que necessitam de cuidados de saúde, isto apesar de saber que são muitas as iniciativas humanitárias e solidárias por todo o país e que muitas pessoas já contribuíram da forma que puderam”, acrescentou.

Posto isto, surgiu assim a ideia de uma campanha de Crowfunding, com o título “Guerra é Dor, Ajudar é AMOR – SOS Hospitais na Ucrânia”, com o intuito de “ajudar aqueles que optaram por ficar no seu país, para lutar, ou porque não conseguiram sair ou não o quiseram fazer”.

“Esta angariação é para ajudar os que se encontram feridos pelos bombardeamentos, para as crianças que estão ainda em hospitais, muitos deles já destruídos pelas bombas, para os que necessitam de cuidados médicos para sobreviverem e onde cada vez mais escasseiam os medicamentos e materiais hospitalares essenciais para a sua recuperação”, explicou a enfermeira.

Com o valor angariado, Sandra Carvalho pretende “adquirir, junto das empresas da área da saúde, material de penso, ortopédico, compressas, ligaduras e material de primeiros socorros, de emergência médica, que o cidadão comum ao querer ajudar não o consegue fazer em grandes quantidades”.

“Se conseguir o valor pretendido, terei a colaboração do Dr. Andriy Krystopchuk, ucraniano e médico na UCI do Hospital de Faro, para fazer chegar à Львівське клінічне територіальне медичне об’єднання” (Associação Médica dos hospitais da cidade Lviv) todo o material que conseguirmos adquirir. O director desta associação chama-se Myskiv Andriy. É uma associação estatal de hospitais da cidade Lviv, que foi criada para melhorar a logística e que inclui o ша міська лікарня імені Князя Лева (Primeiro Hospital Municipal de Príncipe Leo), o та міська лікарня (quarto hospital municipal), o та міська лікарня (quinto hospital municipal) e o Mіський госпіc (Hospital Municipal). Se conseguirmos, por outro lado, mais do que o valor pretendido, faremos um donativo para a Amnistia Internacional que se encontra na Ucrânia a ajudar nos corredores humanitários”, disse.

“Fui um pouco ambiciosa no valor a conseguir (10.000 euros), pois pensei que se todos doassem um valor pequeno (um euro é o valor mínimo) e se conseguir chegar ao coração das pessoas e muitos souberem deste meu propósito, irei conseguir o meu objectivo”, concluiu.

A página de Facebook da campanha é https://www.facebook.com/2022salvarvidasnaucrania e os donativos podem ser feitos em https://ppl.pt/hospitais?fbclid=IwAR2a5rI8pMRFOUIxKgCpTZl1Votuvv8MPDc8vTtLZsdNxO1_JZZW3Jxo20g

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Nuno Barraco
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Raide Hípico de Santa Eulália homenageia cavaleiro Jaime Magarreiro

O Raide Hípico de Santa Eulália “Luís Tello Barradas”, prova organizada pela Associação Hu…