A Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais, da Igreja Católica em Portugal, publicou uma mensagem para sublinhar o papel dos jornalistas em cenários de guerra, como acontece atualmente na Ucrânia.

O organismo da Conferência Episcopal Portuguesa sublinha, na nota enviada à Agência ECCLESIA, “o trabalho dos jornalistas que colocam em risco as próprias vidas para que o mundo saiba quantas vidas se estão a sacrificar por causa de uma guerra”.

A mensagem “valoriza a determinação dos profissionais da comunicação para que a destruição de um povo e de um país seja mostrada a todos” e elogia “a atenção de leitores, ouvintes e telespectadores para que, renunciando à indiferença, intercedam pelo fim dos conflitos e ajudem todas as vítimas”.

O cuidado de quem sofre as consequências da guerra depende da generosidade e entrega de muitas mulheres e homens, nomeadamente dos profissionais da comunicação social que não permitem que esses corações bons deixem de ter lugar em páginas negras da história e que o mundo se esqueça de culturas e povos a serem destruídos pelas armas”.

A Comissão Episcopal responsável pelo setor dos media pede que “as imagens, os sons e as palavras da guerra sejam as armas de um jornalismo pela paz e pela verdade”.

“A verdade não pode ser a primeira a sucumbir, em contextos de guerra, como nos pede o Papa Francisco”, acrescentam os responsáveis.

O texto conclui com a citação das palavras que o Papa dirigiu aos jornalistas, no último domingo, desde o Vaticano: “Obrigado, irmãos e irmãs, por este vosso serviço. Um serviço que nos permite estar próximos do drama daquelas populações e perceber a crueldade de uma guerra. Obrigado, irmãos e irmãs”.

OC

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Jovem de 22 anos detido pela GNR por esfaquear outro em feira no Alentejo

Um jovem de 22 anos foi detido hoje pela GNR por esfaquear outro de 18, que ficou ferido c…