O Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA) considerou “inaceitável” o lançamento do concurso público do projecto de execução de infraestruturas de regadio da Barragem do Pisão, no Crato.
“Se já o anúncio de intenção de realização da obra sem a apresentação pública de um Estudo de Impacto Ambiental e do decorrer do processo de participação pública tinha sido incompreensível, consideramos inaceitável o lançamento oficial do concurso para a realização do projecto nas mesmas condições”, criticou o GEOTA, em comunicado enviado à agência Lusa.
Lançado pela Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural, o anúncio de procedimento para o concurso foi publicado na sexta-feira, em Diário da República, e vai decorrer até ao dia 27 de Janeiro, com um valor base superior a 568 mil euros.
Para o GEOTA, o Empreendimento de Aproveitamento Hidráulico de Fins Múltiplos do Crato, mais conhecido por Barragem do Pisão, é um projecto que “intensifica a pressão sobre os já escassos recursos hídricos” do país, além de “pôr em causa habitats e biodiversidade únicos”.
No comunicado, o GEOTA aludiu às directrizes europeias, como a Directiva Quadro da Água e o European Green Deal, que apontam para “uma análise ambiental profunda da necessidade de construção de novas barragens de regadio”.
Directrizes essas que indicam ainda, “como linha orientadora, que investimentos em novas albufeiras devem ser considerados somente se não houver impacto ambiental negativo”.
“Este é um investimento insustentável segundo o Regulamento Europeu de 2020 sobre promoção do investimento sustentável, não respeitando também o princípio europeu de não prejudicar significativamente o ambiente”, argumentou.
A Barragem do Pisão é uma aspiração e reivindicação histórica das populações do Alto Alentejo, com mais de meio século.
Segundo o cronograma submetido à Comissão Europeia, as obras estarão terminadas em 2025.
No final do mês de Julho, o primeiro-ministro, António Costa, presidiu à cerimónia de lançamento do projecto da barragem e à assinatura do respectivo contrato de financiamento.
O contrato, no valor de 120 milhões de euros, foi assinado entre a estrutura de missão Recuperar Portugal e a Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA), que gere este projecto.
No global, o empreendimento deverá envolver um investimento de 171 milhões de euros, dos quais 120 milhões estão inscritos no PRR.
Segundo a CIMAA, a futura estrutura vai beneficiar cerca de 110 mil pessoas nos 15 municípios do distrito de Portalegre e o seu “principal objectivo é garantir a disponibilidade de água para consumo urbano”.
Além disso, visa “reconfigurar a actividade agrícola e criar oportunidades para novas actividades económicas, nomeadamente ao nível da agricultura, do turismo e no sector da energia”, já que engloba também uma central fotovoltaica flutuante (cujo financiamento ficou de fora do PRR).

HYT // RRL
Lusa

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Igreja do Espírito Santo em Évora reabre após requalificação de 2,5ME

A Igreja do Espírito Santo, em Évora, construída pelos jesuítas no século XVI, reabre ao p…