O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou que “um PS mais forte”, após as eleições legislativas antecipadas de 30 de Janeiro, será “ainda mais próximo” das propostas de PSD e CDS-PP.
“Ninguém duvide que um PS mais forte significará um PS ainda mais próximo do que PSD e CDS defendem”, afirmou o líder comunista, numa sessão pública em Campo Maior.
Falando numa sala da Comissão Unitária dos Reformados, Pensionistas e Idosos do Concelho de Campo Maior, Jerónimo de Sousa insistiu que “o PS não quis encontrar soluções” e “quis precipitar eleições”, pois “ambiciona uma maioria absoluta”.
“Ambiciona-o, porque quer ter as mãos livres, sem condicionamento e limitações para prosseguir a política de direita, fugir da intervenção do PCP e do PEV com o que significa de determinação para encontrar soluções”, sublinhou.
O secretário-geral comunista notou que o PS “já está a virar o bico ao prego e ainda não houve eleições”, argumentando que os socialistas no parlamento mudaram o sentido de voto sobre um projecto-lei do PCP de combate à precariedade laboral.
“Aprovou na generalidade em Junho na Assembleia da República o nosso projecto-lei de combate à precariedade laboral e há dias na votação final juntou-se ao PSD, CDS, Iniciativa Liberal e Chega e chumba tudo”, referiu.
Jerónimo de Sousa avisou que, durante a campanha para as legislativas, vão existir “operações de chantagem eleitoral” e deu como exemplo o que o PS está a fazer “em relação aos reformados e pensionistas”.
Os socialistas, disse, passam “culpas para outros de não haver os aumentos de reformas, quando sabem que não estão impedidos de o fazer, transformando os aumentos que negam aos reformados numa promessa eleitoral para captar o seu voto”.
Num discurso de quase 30 minutos, o líder do PCP defendeu que quem votar no PSD, CDS-PP e “seus sucedâneos” está a “reforçar os projectos reaccionários de ataque a direitos, cortes nas pensões e salários, ataque ao Serviço Nacional de Saúde”.
“Como anos de política de direita de PS e PSD comprovam, as soluções para os problemas do país exigem que, quer maiorias absolutas, quer arranjos entre PS e PSD em curso, sejam derrotados”, vincou.
Apelando ao voto na CDU, Jerónimo, que discursou após a intervenção da cabeça de lista por Portalegre, Helena Neves, assinalou que “a situação do país exige uma política alternativa que dê prioridade à solução dos problemas nacionais”.
“Nos últimos anos, o caminho de defesa, reposição e conquista de direitos, inseparável da intervenção do PCP, fala por si. É esse caminho que é preciso prosseguir e aprofundar”, acrescentou.

SM //RBF
Lusa

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

AHRESP defende criação de apoios para vítimas dos incêndios

AHRESP defende criação de apoios para vítimas dos incêndios …