A Universidade de Évora anunciou ter preenchido 92% das vagas na 1.ª fase do concurso nacional de acesso 2021/2022, com a colocação de um total de 1.222 novos estudantes, mantendo a tendência de crescimento dos últimos anos.
Em comunicado, no dia em que o Ministério do Ensino Superior divulgou os dados da 1.ª fase do concurso nacional de acesso (CNA), a Universidade de Évora congratulou-se por confirmar “a tendência de crescimento dos últimos anos” em licenciatura e mestrado integrado.
Para este ano letivo, a Universidade da Évora disponibilizou 1.330 vagas distribuídas por 34 cursos de licenciatura e mestrado integrado, dos quais “27 preencheram a totalidade das vagas”.
“Nos dois últimos anos, o número de estudantes colocados na 1.ª fase na Universidade de Évora teve um acréscimo de 255, correspondendo a um crescimento acumulado de 26,4% relativamente a 2019/2020”, indicou a instituição. 
Quanto aos estudantes internacionais, “a totalidade das vagas foi preenchida” já nesta fase do concurso, com um total de 365 novos alunos, segundo a academia alentejana.
O Ministério do Ensino Superior revelou hoje que 49.452 novos estudantes entraram agora para o ensino superior, o segundo maior número de colocados nos últimos 30 anos, embora tenham ficado sem colocação 33% dos candidatos à 1.ª fase do CNA.
No caso da Universidade de Évora, os resultados atingidos nesta 1.ª fase são “extraordinariamente gratificantes”, congratulou-se a reitora, Ana Costa Freitas, citada no comunicado.
“Apesar das circunstâncias, a procura de formação, de qualificação e de conhecimento tem vindo a ganhar novo fôlego, permitindo à Universidade de Évora resultados muito positivos, transversais a todas as suas áreas de atuação”, salientou.
O que demonstra que a Universidade de Évora “está no caminho certo e que deverá ser, cada vez mais, um espaço dinâmico, diverso e inspirador com um papel fundamental no desenvolvimento social”.
“O interior do país, sobretudo a região do Alentejo, apresenta condições únicas para o desenvolvimento académico e profissional em áreas emergentes e assentes num modelo de desenvolvimento sustentável”, argumentou também a reitora.
A universidade está, por isso, envolvida em vários projetos nas áreas da inteligência artificial, novos modelos de tecnologias verdes para a energia, mobilidade urbana e da transição energética, nomeadamente os relacionados com a retenção de carbono.
Ainda assim, ao mesmo tempo, é na “simbiose” entre “o legado do passado e a perspetiva de futuro que devemos continuar a apostar”, defendeu.
Nesta área, “o desenvolvimento de soluções focadas no envelhecimento saudável” é “cada vez mais uma realidade” na academia alentejana, “no contexto da nova Escola de Saúde e Desenvolvimento Humano e da Cátedra para a Sustentabilidade Demográfica”, afirmou a reitora.
Para a 2.ª fase do CNA, a partir desta segunda-feira e até 08 de outubro, “restam apenas 8% das vagas (105), distribuídas por sete dos cursos oferecidos”, indicou a Universidade de Évora, frisando ainda que, se houver um reforço de vagas, o vai aproveitar.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Região

Veja também

AHRESP defende criação de apoios para vítimas dos incêndios

AHRESP defende criação de apoios para vítimas dos incêndios …