Os cavaleiros Maria Caetano, Rodrigo Torres e João Miguel Torrão realçaram a concretização do sonho de disputar por Portugal a final dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 de ensino, que terminaram no oitavo lugar.
A seleção nacional qualificou-se na sétima posição, mas totalizou 6965,5 pontos no Parque Equestre de Tóquio e foi ultrapassada pela Espanha (7198,5), numa competição vencida pela Alemanha.
Tal como na qualificação para o Grand Prix Special, Rodrigo Torres, bisneto de Domingos de Sousa Coutinho, que conquistou a medalha de bronze na prova de salto de obstáculos por equipas em Berlim1936, arrebatou a melhor pontuação lusa, com 2458,5 pontos.
“Foi espetacular, o cavalo Fogoso deu-me tudo, acho que foi uma prova limpa. Posso ter tido algum erro, não senti, mas estou supercontente, foi uma prova espetacular. Nunca pensei chegar à final, mas o cavalo superou-se e superou tudo o que podia imaginar. Ter a melhor nota e chegar à final olímpica foi um sonho realizado”, explicou o cavaleiro de Monforte, de 44 anos.
Depois da final coletiva, e do diploma conquistado pela equipa, Rodrigo Torres vai enfrentar a final individual, na quarta-feira, também à procura do melhor que conseguir.
“Tudo o que vier é bónus. É algo que nunca pensei. Quero divertir-me o mais possível, dar o máximo para ter a melhor classificação possível, esperando que os portugueses se orgulhem pelo que estamos a fazer”, frisou.
Em Fenix de Tineo, a cavaleira Maria Caetano reconheceu que a qualificação lhe correu melhor do que a final, na qual totalizou 2260 pontos.
“Foi uma experiência espetacular, tive pena de ter cometido um erro que me tirou alguns pontos, acho que um bocadinho por causa do calor. O cavalo sentiu muito e eu só senti depois, quando parei, mas foi um pico de calor durante a nossa prova, que fez com que ele fizesse um erro que tirou alguns pontos e não se apresentasse tão expressivo como na qualificação”, realçou a cavaleira, igualmente de Monforte, de 34 anos.
Também afetado pelo calor, João Miguel Torrão, de 28 anos, não escondeu o desalento com o desempenho na prova, que se saldou em 2247 pontos.
“Hoje não correu como esperado, houve muitos, muitos erros. O cavalo [Equador] hoje estava um bocadinho quente, a fazer aqueles erros que cometeu na prova e não consegui controlar. Mesmo assim, faço um balanço positivo desta experiência única”, referiu o cavaleiro de Serpa.
O mais novo elemento da equipa nacional, que, juntamente com Maria Caetano, Rodrigo Torres e Duarte Nogueira, assegurou a vaga olímpica, com o oitavo lugar no Campeonato da Europa de 2019, em Roterdão, nos Países Baixos, não esconde que gostaria de repetir a experiência.
“Estar em Paris2024 seria muito bom, mas quero dar um passo de cada vez. Descansar e, depois, ver o que se segue”, rematou João Miguel Torrão.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Desporto

Veja também

Portalegre: Ordem dos Contabilistas Certificados inauguraram delegação e governo elogiou papel destes profissionais durante a pandemia

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais fez hoje um agradecimento público aos contabil…