Os cavaleiros portugueses João Miguel Torrão e Rodrigo Torres enalteceram hoje a qualificação para a final de Ensino em desporto equestre dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, 69 anos após a última presença.
Após o exercício de João Miguel Torrão, que montou Equador, a seleção portuguesa de ensino em desporto equestre assegurou a qualificação para o Grande Prémio Especial por equipas, que está marcada para terça-feira, a partir das 17:00 locais (09:00 em Lisboa), um dia antes da final individual, que vai começar às 17:30 (09:30).

Portugal, com João Miguel Torrão, Rodrigo Torres e Maria Caetano, somou 6.862,5 pontos, que lhe valeram o sétimo lugar, penúltimo de apuramento, à frente da Espanha (6.749,5), igualmente apurada.
“Ter, pela primeira vez, uma equipa nos Jogos Olímpicos já é um feito extraordinário. Estou muito contente com o meu desempenho no Grande Prémio e também com o do Equador. Estou feliz, foi um objetivo cumprido”, afirmou João Miguel Torrão, em declarações à agência Lusa.
O cavaleiro natural de Serpa, de 28 anos, contabilizou 70,186 pontos, terminando no quinto lugar do Grupo F.
“Acho que foi o maior estádio em que já competi, é uma experiência única. Poder estar aqui já é um feito incrível, por isso, estou muito orgulhoso. Já foi uma meta ultrapassada, acho que me deu muita experiência e agora é pensar nos próximos desafios”, vincou João Miguel Torrão.
Fundamental na qualificação coletiva, Rodrigo Torres, em Fogoso, conseguiu também um lugar na final individual, que junta os dois primeiros de cada um dos seis grupos e os oito mais bem pontuados, depois de ter conquistado 72,624 pontos, no domingo, no primeiro dia de provas em Tóquio, que lhe valeram o quinto posto no Grupo C.
“Agora vamos desfrutar, fazer o melhor possível e tentar colocar Portugal no melhor lugar que conseguirmos”, frisou, em declarações à Lusa.
O cavaleiro de Monforte, de 44 anos, manteve o fito coletivo, partilhando as congratulações com os restantes elementos da seleção nacional.
“Chegar à final por equipas era uma das nossas metas. Conseguimos, é um grande feito, uma grande alegria e uma grande honra. Estamos de parabéns, eu, o João e a Maria, porque correu bem e estivemos a um bom nível”, rematou Rodrigo Torres.
O pecúlio nacional foi completado por Maria Caetano, em Fenix de Tineo. A cavaleira de Monforte terminou no quarto lugar do Grupo B, com 70,311, também no domingo.
Com o lugar entre as oito seleções no Grand Prix Special, tal como em Helsínquia1952, Portugal assegurou uma posição de diploma olímpico, numa modalidade em que Portugal conquistou uma medalha de bronze em Londres1948.
Na prova individual (Grand Prix Freestyle), vai igualar, pelo menos, o 16.º lugar de Gonçalo Conchinhas Carvalho em Londres2012, na última participação portuguesa nesta disciplina.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Desporto

Veja também

Évora: Investigador universitário distinguido em prémio internacional

Um investigador da Universidade de Évora (UÉ), Germilly Barreto, foi um dos vencedores da …