O movimento AMAlentejo revelou hoje que vai realizar o seu terceiro congresso apenas em 2022, depois de terem sido obrigados a adiar o evento por duas ocasiões, devido à pandemia da covid-19.
“Face à pandemia já alterámos o congresso por duas vezes e a única certeza que nós agora temos é que ele não será feito em 2021”, lamentou Diogo Júlio, da comissão promotora do AMAlentejo, em declarações à agência Lusa.
De acordo com o responsável, o movimento ainda não definiu uma data para a realização do congresso em 2022, estando agora a desenvolver um conjunto de debates temáticos para preparar a iniciativa.
“Não nos atrevemos sequer a apontar uma data [para o congresso] e, por isso, avançamos com um conjunto de debates temáticos que ajudarão a preparar o congresso”, explicou.
Na sequência desta estratégia delineada pelo AMAlentejo, o Museu da Tapeçaria de Portalegre – Guy Fino acolhe hoje, a partir das 17:30, uma das sessões preparatórias para a posterior realização do congresso.
De acordo com a organização, o debate temático agendado para Portalegre é subordinado ao tema “Desenvolvimento sustentável do Alentejo, biodiversidade, sistemas produtivos, trabalho com direitos”.
“Nós vamos contar com a participação da docente do Instituto Politécnico de Beja, Fátima Carvalho, que vem debater uma questão extremamente importante para nós, a água, o contributo da água para o desenvolvimento da região”, disse.
“O professor Paulo Brito, que é investigador e docente no Instituto Politécnico de Portalegre, vai abordar as questões relacionadas com os resíduos, que contributo podem dar para o desenvolvimento da região”, acrescentou.
Além destes dois oradores, Diogo Júlio indicou que o debate temático vai contar também com a participação da arquiteta e dirigente do Movimento “Chão Nosso” e de Inês Fonseca, que vai “denunciar” as questões relacionadas com as culturas intensivas, o uso de pesticidas e a necessidade de “travar” este sistema de produção para “salvaguardar” as populações.
“Independentemente do ponto de vista económico [culturas intensivas e uso de pesticidas] ser ou não ser rentável, há que trabalhá-lo no sentido de não criar ainda mais complicações às pessoas e aos resistentes que existem no Alentejo”, disse.
No debate temático vão ainda participar a coordenadora regional da União de Sindicatos do Norte Alentejano (USNA), Helena Neves, e o presidente da União Geral de Trabalhadores (UGT) de Portalegre, Marco Oliveira.
De acordo com Diogo Júlio, os dois sindicalistas vão abordar a temática do “trabalho com direitos, que não pode ser desassociado do desenvolvimento que queremos para a região”.
O AMAlentejo foi criado em abril de 2015 com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento económico e social do Alentejo, desenvolver ações conducentes à regionalização e apoiar, valorizar e defender o poder local democrático.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Região

Veja também

Homem detido no Alentejo por permanência ilegal em território nacional

Um homem, de 22 anos, foi detido pela GNR, no concelho de Beja, por permanência ilegal em …