O presidente do Chega disse hoje, em Santarém, que o partido quer ser a terceira força política nas autárquicas e admitiu avançar com coligações onde “for necessário afastar” o PS da governação ou mesmo conquistar Câmaras ao PCP.
André Ventura falava à entrada para a reunião do Conselho Nacional do partido, que decorre hoje à tarde em Santarém, destinada à aprovação de contas, à análise do regulamento do congresso que se vai realizar no último fim de semana de maio em Coimbra e à discussão sobre o estabelecimento ou não de coligações com outros partidos, em particular o PSD, nos próximos atos eleitorais.
Afirmando que pessoalmente prefere que o Chega avance sozinho, Ventura disse que a definição de estratégias em termos de coligações é um dos pontos que está em cima da mesa.
“Nos casos em que for necessário para afastar o Partido Socialista da governação ou o Partido Comunista, no Alentejo, teremos essa possibilidade”, declarou.
“No Alentejo, estamos com muita firmeza, porque há a possibilidade real de ganhar Câmaras Municipais e é isso que vamos tentar fazer, nomeadamente nos distritos de Évora, Beja e Portalegre, onde a votação foi muito elevada nas presidenciais. Temos sondagens internas que nos dão em alguns sítios 30% da votação e é nisso que vamos apostar para ganhar Câmaras Municipais”, acrescentou.
Na reunião de hoje, disse, os conselheiros nacionais vão analisar “como é que à direita se vai formar um bloco, sabendo que todos os outros estão contra” o Chega, mas estão cientes de “que precisam” de um partido que também preferia “estar sem eles”.
“É um bloco ‘sui generis’, digamos assim, à direita, que não existe à esquerda, em que não há este tipo de hostilidade”, afirmou, considerando “evidente para todos que sem o Chega não haverá maiorias parlamentares [à direita] em Portugal”.
Ventura disse que o Chega teve “contas certas no último ano” e que a “ambição de ser a terceira força política” vai levar a “um grande esforço de investimento no próximo ano e nestas autárquicas”.
Além da aprovação de contas, o Conselho Nacional de hoje discute também o regulamento para o congresso de Coimbra, o qual vai “procurar adaptar o partido aos desafios” que tem pela frente e atender “ao crescimento muito grande que houve de número de militantes”, bem como “aos problemas de indisciplina que também se têm verificado”.
“Queremos criar uma estrutura mais sólida e mais firme nessa defesa e preparar o partido para governar Portugal. É esse o objetivo do próximo congresso”, declarou.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Política

Veja também

IP lança concurso para retomar construção de variante em Évora

IP lança concurso para retomar construção de variante em Évora …