Os olivicultores do Alentejo esperam que o estudo de caracterização do olival divulgado pela EDIA traga “serenidade e fundamentação racional” ao debate sobre a cultura intensiva na região do Alqueva, disse hoje um representante do setor.
Em declarações à agência Lusa, o diretor executivo da Associação de Olivicultores do Sul (Olivum) destacou também a importância de o estudo ter sido “encomendado pelo Governo”.
Além de ser resultado de “uma investigação de dois anos”, coordenada para Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), frisou Gonçalo de Almeida Simões, o estudo não encontrará paralelo “nos próximos cinco a dez anos”.
“É bastante importante para o setor, porque nunca houve nenhum outro estudo como este, que não é direcionado para as culturas de regadio, mas sim diretamente para o olival. Espero que venha esclarecer as dúvidas que muitos presidentes de câmara, de junta de freguesia e assembleia municipal têm”, defendeu.
Almeida Simões acrescentou ainda às entidades municipais, que têm questionado a proliferação de olival intensivo no Alentejo, as “organizações não-governamentais ambientais” e os “partidos mais à esquerda”, nomeadamente “Bloco de Esquerda, PAN, PCP e Os Verdes”.
Esses partidos, lembrou, “têm apresentado propostas de resolução” para limitar a expansão da cultura de olival intensivo que “já foram chumbadas três vezes”, a última das quais “por 85% da Assembleia da República”.
“Sempre estivemos disponíveis para debater, mas com uma postura racional e científica, porque este debate na praça pública e de opiniões pessoais não ajuda em nada”, lamentou.
O estudo coordenado pela EDIA conclui que o olival é uma “cultura perfeitamente adaptada à região” do Alentejo e refere mesmo as suas “baixas exigências hídricas” como uma das principais características da plantação intensiva de olival.
A “boa resistência a pragas e doenças” deste tipo de plantação, motivo pelo qual exige “baixas quantidades de fitofármacos”, é outra das conclusões do estudo, que envolveu vários organismos do Ministério da Agricultura.
A investigação coordenada pela EDIA incluiu também as direções-gerais de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) e de Agricultura e Veterinária (DGAV), a Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo (DRAPALE) e o Instituto Nacional de Investigação Agrícola e Veterinária (INIAV).
“É um trabalho de compilação muito interessante, que conta também com a contribuição da Olivum e da Universidade de Jaén, em Espanha. É feito pela EDIA, mas em pareceria com a DGADR, a DRAPALE, o INIAV e a DGAV, o que dá robustez científica ao estudo”, elogiou o representante dos olivicultores.
O estudo defende que o olival de regadio “pode ser desenvolvido de uma forma sustentável e ecologicamente positiva, dependendo das práticas culturais utilizadas”, e que é “fulcral no combate à desertificação”, ao criar uma “barreira verde permanente interanual a sul do Tejo”.
Além disso, segundo as conclusões, “capta grandes quantidades de CO2 [dióxido de carbono]” o que tem um impacto positivo “no cumprimento dos objetivos de política nacional ao nível das emissões/captações de carbono”.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Motociclista de 57 anos morre em despiste no concelho de Arronches

Um homem, de 57 anos, morreu sábado, dia 24 de Setembro, na sequência do despiste do motoc…