A União dos Sindicatos do Norte Alentejano (USNA) revelou, esta semana, que as trabalhadoras da Comissão de Melhoramentos de Sousel participaram, dia 1 de Março, em dois plenários depois de confrontadas com a obrigatoriedade de recorrer ao controlo automático de assiduidade de hora a hora.

“Estas iniciativas realizaram-se à porta das duas valências da instituição, em Santo Amaro e Cano, onde as trabalhadoras contaram com o apoio de vários activistas sindicais”, começa por sublinhar a USNA.

“[As trabalhadoras] aprovaram uma resolução em que decidem não cumprir a obrigatoriedade de picar o ponto hora a hora, continuar a lutar pelo pagamento do subsídio de turno (obrigação a que a instituição já foi notificada pela ACT para cumprir), exigir a actualização salarial a que têm direito já publicada em BTE e resistir com a sua unidade e força às pressões, ameaças e abusos de poder por parte da direcção da Comissão de Melhoramentos de Sousel”, pode ler-se no comunicado enviado à redacção do jornal.

Há dois meses, realça a União dos Sindicatos, que “as trabalhadoras da Comissão de Melhoramentos de Sousel foram confrontadas com a obrigatoriedade de recorrer ao controlo automático de assiduidade, ou seja, ‘picar o ponto’, de hora a hora. Isto significa que, independentemente dos cuidados que estejam a prestar aos idosos, as trabalhadoras têm de interromper a tarefa e deslocar-se ao aparelho de controlo biométrico de assiduidade. Numa das valências, as trabalhadoras, cujo uso do elevador está proibido com o objectivo de poupar no consumo de energia, têm de subir e descer as escadas, acção que chegaram a fazer 16 vezes num dia”, frisa o documento.

Esta obrigatoriedade, no entender da USNA, consiste em “mais um abuso de poder por parte desta IPSS. Nos últimos anos, a falta de respeito pelas trabalhadoras da Comissão de Melhoramentos de Sousel tem-se agravado, o que levou já a que trabalhadoras com anos de antiguidade rescindissem o seu contrato de trabalho”.

“Muitas outras trabalhadoras resistem e lutam pelos seus postos de trabalho. É o que têm feito, organizadas no seu sindicato de classe, o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Estado”, conclui.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Presidente da República inaugura 37ª Ovibeja, que decorre em versão digital

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai presidir, no dia 22 de Abril, pela…