A Câmara de Vila Viçosa revelou que a interdição do trânsito a veículos pesados na Estrada Nacional (EN) 255 no concelho, que tem sido motivo de protesto, está em “vias de resolução”.
O município indicou, em comunicado, que “o condicionamento do trânsito a veículos pesados ao quilómetro 10+800 da EN255”, entre Vila Viçosa e Pardais, está “em vias de resolução”, tendo em conta “o recurso que foi encontrado”.
“Em visita ao local, os técnicos da câmara municipal e da Infraestruturas de Portugal (IP) concluíram que a solução é a realização de um desvio da faixa de rodagem, afastando-a da pedreira que origina o condicionamento à circulação, sendo, para o efeito, necessário proceder ao desvio da conduta adutora de água de abastecimento entre Vila Viçosa e Pardais”, lê-se no comunicado.
A autarquia explicou que, de acordo com a IP, “o desvio ficará concluído no prazo de duas semanas, ficando, assim, normalizada a circulação rodoviária no local”.
A Infraestruturas de Portugal (IP), na sexta-feira, além de ter interditado o tráfego pesado na EN255, entre Vila Viçosa e Pardais, encerrou o troço da Estrada Nacional 254, entre Vila Viçosa e Bencatel, naquele concelho, por questões de segurança devido à proximidade de pedreiras.
Estas situações têm motivado protestos, sobretudo por parte da população de Bencatel, que promoveu várias manifestações contra o corte da estrada, o último dos quais ocorreu no domingo, dia das eleições presidenciais.
O presidente da Junta de Freguesia de Pardais, no concelho de Vila Viçosa, em declarações à Lusa, na semana passada, alertou para o facto de a interdição do trânsito a veículos pesados naquela estrada colocar em causa o socorro à população.
“Condicionar o trânsito a pesados põe em causa o socorro à população, a deslocação das crianças para as escolas e o escoamento de mercadorias, sobretudo dos mármores, que é o sustento da população da freguesia”, disse Inácio Esperança.
A junta de freguesia, em comunicado, indicou que se trata de uma “decisão unilateral da IP”, que “muito prejudica a população” e interroga “como garantir o socorro às populações e aos trabalhadores das pedreiras sempre que seja necessário utilizar veículos pesados”.
O corte do troço da EN254 entre Vila Viçosa e Bencatel foi anunciado, na quarta-feira, em declarações à Lusa, por fonte oficial da IP, que alegou questões de segurança, devido à proximidade de uma pedreira.
A decisão está relacionada com a proximidade daquela estrada da pedreira “Monte d’el Rei”, que tem cerca de “134 metros de profundidade” e que se encontra a cerca de 30 metros da via, quando devia estar “a mais de 400 metros”, indicou então a mesma fonte.
A IP, que disse estar, juntamente com a câmara, a tentar “encontrar uma solução” alternativa para a circulação entre Vila Viçosa e Bencatel, indicou que, a partir de sexta-feira, a alternativa de circulação para veículos ligeiros deve ser a EN255.
Já a EN381, entre a EN4 e a vila de Redondo, é indicada pela IP como percurso alternativo dos pesados, durante as próximas duas semanas, enquanto não for feita uma intervenção na EN255.

TCA (RRL/SM) // MLS
Lusa

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Covid-19: Alentejo soma 26 novos casos, mas nenhum óbito

Portugal registou hoje mais 26 mortes relacionadas com a pandemia de covid-19 e 1.007 caso…