Quase 30 doentes com covid-19 já receberam cuidados de saúde na estrutura municipal de apoio ao Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), desde que abriu há quase duas semanas, informou a câmara municipal.
Em comunicado enviado à agência Lusa, a autarquia indicou que a estrutura municipal de apoio (EMAHESE) cedida à unidade hospitalar recebeu, desde o dia 09 deste mês, um total de 28 doentes infetados pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.
A EMAHESE “registou, desde a sua abertura, uma presença máxima, em simultâneo, de 13 pacientes”, acrescentou o município, sublinhando que o espaço está “a cumprir cabalmente os pressupostos que originaram a sua criação”.
Os cuidados aos doentes transferidos do edifício hospitalar para este equipamento são prestados por uma equipa multidisciplinar do HESE, constituída por médicos, enfermeiros, assistentes operacionais e assistentes sociais.
Na quinta-feira, o HESE alertou para a necessidade urgente de mais enfermeiros para doentes com covid-19, no hospital e na estrutura municipal de apoio, e apelou a todos os profissionais disponíveis para reforçar turnos.
O HESE “apela à colaboração de todos os enfermeiros que a nós se queiram juntar para realizar turnos na Estrutura Municipal de Apoio para doentes covid-19″, pode ler-se num comunicado da unidade hospitalar enviado então à Lusa.
Segundo a presidente do conselho de administração do HESE, Maria Filomena Mendes, este reforço é preciso para dar resposta aos utentes com a doença provocada pelo novo SARS-CoV-2.
“Necessitamos urgentemente de mais enfermeiros para reforçar as equipas já existentes” para doentes com covid-19, no hospital e também na EMAHESE, alertou a responsável, citada no comunicado.
Arrendado pela Câmara de Évora, o pavilhão onde funciona a EMAHESE  para doentes covid-19 situa-se na zona industrial da Horta das Figueiras e possui 14 camas, que podem chegar às 40 em caso de necessidade.
A Câmara de Évora divulgou anteriormente que este equipamento dispõe de refeitório para doentes, lavandaria e balneários, além de que os profissionais de saúde e o pessoal auxiliar têm à sua disposição várias zonas de trabalho, um espaço de refeições e uma zona de descontaminação.
Este equipamento foi o segundo que a Câmara de Évora criou como resposta à pandemia de covid-19, depois da instalação de uma estrutura semelhante na residência universitária Manuel Álvares, num investimento a rondar os 75 mil euros.
A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.092.736 mortos resultantes de mais de 97,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.
Em Portugal, morreram 9.920 pessoas dos 609.136 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Covid-19

Veja também

Nova directora do museu de Évora tem como “primeira luta” mais pessoal e orçamento

A nova diretora do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo (MNFMC), em Évora, assumiu que a…