O presidente da Junta de Freguesia de Pardais, no concelho de Vila Viçosa, alertou hoje para o facto de a interdição do trânsito a veículos pesados numa estrada colocar em causa o socorro à população.
“Condicionar o trânsito a pesados põe em causa o socorro à população, a deslocação das crianças para as escolas e o escoamento de mercadorias, sobretudo dos mármores, que é o sustento da população da freguesia”, disse à agência Lusa o autarca Inácio Esperança.
O presidente da junta de freguesia falava à Lusa na sequência de a Infraestruturas de Portugal (IP) ter encerrado na sexta-feira o troço da Estrada Nacional (EN) 254 entre Vila Viçosa e Bencatel e de ter interditado o tráfego pesado na Estrada Nacional (EN) 255, entre Vila Viçosa e Pardais, por questões de segurança devido à proximidade de pedreiras.
A população de Pardais é afetada por a circulação pela EN255 entre Vila Viçosa e aquela localidade estar limitada a veículos ligeiros, e a junta de freguesia, em comunicado, considera que é “lamentável e absurdo”.
O comunicado refere que se trata de uma “decisão unilateral da IP”, que “muito prejudica a população” e interroga “como garantir o socorro às populações e aos trabalhadores das pedreiras sempre que seja necessário utilizar veículos pesados”.
Inácio Esperança considerou que “o Estado Português quer fugir à sua responsabilidade e quer abandonar Vila Viçosa, Borba e a zona dos mármores”, sublinhando que “durante anos licenciaram pedreiras e não as fiscalizaram, tendo-se chegado à situação em que há pedreiras em cima das estradas”.
“Não acredito que as mesmas sejam ilegais, estão à vista de toda a gente”, acrescentou.
O autarca acrescentou que, “perante problemas de segurança, o Estado, em vez de criar soluções, decidiu fechar e condicionar estradas, isolar populações e abandoná-las”.
Inácio Esperança disse ainda que “se há perigo nestes troços porque é que durante dois anos nada foi feito para alterar a situação nem se criaram alternativas, deixando as pessoas diariamente a correr perigo”.
“O que a Infraestruturas de Portugal quer é entregar as estradas à Câmara”, salientou.
O Comando Territorial de Évora da GNR, através da sua página na rede social Facebook, revelou na sexta-feira que o troço da EN254 entre Vila Viçosa e Bencatel foi cortado ao trânsito pela IP, de forma definitiva, na sexta-feira de manhã, e apontou vias alternativas para a circulação rodoviária.
O corte deste troço da estrada foi anunciado, na quarta-feira, em declarações à Lusa, por fonte oficial da IP, que alegou questões de segurança, devido à proximidade de uma pedreira.
A decisão está relacionada com a proximidade daquela estrada da pedreira “Monte d’el Rei”, que tem cerca de “134 metros de profundidade” e que se encontra a cerca de 30 metros da via, quando devia estar “a mais de 400 metros”, indicou então a mesma fonte.
A IP, que disse estar, juntamente com a câmara, a tentar “encontrar uma solução” alternativa para a circulação entre Vila Viçosa e Bencatel, indicou que, a partir de sexta-feira, a alternativa de circulação para veículos ligeiros deve ser a EN255.
Já a EN381, entre a EN4 e a vila de Redondo, é indicada pela IP como percurso alternativo dos pesados, durante as próximas duas semanas, enquanto não for feita uma intervenção na EN255.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Forte de Santa Luzia recebeu visita teatralizada

O Forte de Santa Luzia recebeu na manhã deste sábado, 13 de agosto, uma visita teatralizad…