As temperaturas deverão aumentar gradualmente nos próximos dias e voltar a valores normais para a época, anunciou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), depois de uma onda de frio invulgarmente prolongada e generalizada.
“A previsão aponta para que nos próximos dois a três dias já haja um regresso aos valores normais da temperatura mínima e máxima do ar. Já ontem verificámos que alguns locais já tiveram valores de temperatura máxima próximos do que consideramos normal e a temperatura mínima também já subiu um bocadinho em grande parte do território continental. A tendência para os próximos dias é que os valores voltem aos normais para a época”, disse à Lusa o meteorologista Ricardo Deus.
“Este tipo de fenómenos acontece frequentemente, não acontece é com esta intensidade e esta extensão tão grande em tempo e em espaço”, afirmou, acrescentando que com o regularizar das temperaturas, deverão também ser levantados os avisos de tempo frio até sexta-feira.
Na região de Lisboa, a partir de quinta-feira e até dia 22, a previsão é de máximas entre 14 e 17 graus e mínimas a partir dos oito graus na maior parte dos dias. Para Bragança, Beja e Aveiro também se preveem máximas acima dos 12 graus para o mesmo período, embora com algumas flutuações.
A onda de frio, caracterizada por uma “massa de ar frio e seco”, começou no dia 24 de Dezembro de 2020 e nas últimas três semanas só houve um dia (28 de Dezembro) com temperaturas mínimas próximas do normal para a época.
O dia mais frio verificou-se a 9 de Janeiro, em que a temperatura média do território foi apenas de 2,98 graus centígrados e os valores de temperatura máxima foram os mais baixos dos últimos 20 anos nas estações da Guarda, Aldeia do Souto, Lousã e Portel.
Na terça-feira, as mínimas ficaram abaixo dos zero graus em 75 por cento do território do continente, variando entre 8,2 graus negativos em Miranda do Douro e 4,3 graus em Cabo Raso e Olhão.
“Não é usual termos um episódio tão extenso”, reforçou Ricardo Deus, indicando que “são situações muito particulares que têm a ver com a posição dos centros de ação, nomeadamente os anticiclones e algumas zonas de pressão, que fizeram com que durante muitos dias consecutivos Portugal Continental fosse afetado por esta massa de ar frio e seco que atingiu também toda a Europa e Península Ibérica”.
Durante cerca de três semanas, houve mais de 10 dias consecutivos com temperaturas negativas em um terço das estações meteorológicas do continente.
No distrito da Guarda e no norte do distrito de Santarém, as temperaturas negativas verificaram-se durante 16 dias consecutivos.
Em Lisboa, na terça-feira e ontem o valor mínimo (0,9 graus) foi o mais baixo deste período. Ontem também se bateu o recorde de mínima em Olhão, com 0,6 graus.
No histórico do IPMA estão registados períodos de frio prolongado em 2005, 2006, 2007, 2009, 2012 e 2017.

APN // JLG
Lusa

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Festival do Crato regressa de 23 a 27 de Agosto

Os artistas Matias Damásio e Chico da Tina foram os últimos nomes confirmados para o Festi…