O Sindicato dos Professores da Zona Sul criticou hoje o fecho de janelas numa escola em Portalegre, pela alegada violação de normas relativas à covid-19, mas o diretor desdramatiza porque recebeu “parecer favorável” para o efeito.
Em declarações à agência Lusa, a coordenadora distrital de Portalegre do Sindicato dos Professores da Zona Sul (SPZS), Ana Luísa Cayola, explicou que tem recebido “queixas” de professores que contestam o fecho de janelas no decorrer das aulas, na Escola Secundária Mousinho da Silveira.
“Os professores estão a queixar-se porque lhes ordenaram que fechassem as janelas, porque as salas vão ser aquecidas durante a noite, e só podem manter as portas das salas abertas”, disse.
“Os professores já estavam preocupados com as questões de haver muito pouco espaço para as normas de distanciamento que a Direção-Geral de Saúde (DGS) publicou e aqui temos salas que têm 28, 30, 31 alunos, em turmas com carteiras duplas, em mesas duplas, que têm três dedos de separação com os colegas do lado” acrescentou.
Para a sindicalista, são “normas” que na sua origem têm a ver com o facto de o Ministério da Educação “não ter feito nada” para reduzir o número de alunos por turma.
Contactado pela Lusa, o diretor do Agrupamento de Escolas do Bonfim, que tutela a Escola Secundária Mouzinho da Silveira, António Sequeira, desdramatizou a situação alegando ter recebido pareceres positivos de várias entidades para o efeito.
“Com base no parecer da Parque Escolar de que não podemos ter o nosso sistema de aquecimento durante o tempo de aulas, eu consultei a senhora delegada de saúde e pedi o parecer dela sobre a possibilidade de arranjarmos uma alternativa”, começou por explicar.
De acordo com António Sequeira, a decisão foi tomada com base na tomada de posição das duas entidades que referiam que “não havia problema nenhum” em ligar o aquecimento durante a noite [entre as 00:00 e as 08:00], para minimizar o frio nas salas de aulas.
O diretor do Agrupamento de Escolas do Bonfim rejeita ainda ter “ordenado” para que esta medida seja cumprida na integra pelos professores.
“Isto foi uma indicação que nós demos [aos professores] não foi uma imposição, eu apenas dei essa informação. Os professores farão aquilo que acham que devem fazer com os seus alunos de forma a criar as condições que acharem que são de maior segurança”, disse.
Ana Luísa Cayola criticou ainda as orientações que foram dadas pelas autoridades de saúde e pelas direções das escolas no âmbito da pandemia, considerando que “acabam por ser contraditórias”, gerando uma “grande confusão” junto de professores e alunos.
“Não estamos a ver clarificação nenhuma em relação às questões do distanciamento, das normas de higiene sanitárias nas escolas, cada um faz como lhe parece melhor”, lamentou.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Covid-19

Veja também

Praia da Zambujeira do Mar em Odemira foi interditada a banhos

Praia da Zambujeira do Mar em Odemira foi interditada a banhos …