O corpo do escultor João Cutileiro, que morreu na terça-feira, aos 83 anos, vai ser cremado na quinta-feira no Complexo Funerário de Elvas, revelou hoje a diretora regional de Cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira.
A mesma responsável disse à agência Lusa que a cerimónia de cremação vai decorrer às 12:00 de quinta-feira, no complexo daquela cidade alentejana.
O velório do artista decorre hoje, a partir das 13:00, na Igreja do Salvador, em Évora.
João Cutileiro (1937-2021), que estava internado num hospital de Lisboa com graves problemas respiratórios, morreu na terça-feira, aos 83 anos.
A Câmara de Évora decretou três dias de luto municipal pela morte do escultor, a serem cumpridos hoje e na quinta e sexta-feira.
“O nome de João Cutileiro ficará para sempre associado a Évora, cidade que elegeu como sua e onde deixa marcas profundas. O seu falecimento representa uma enorme perda para o mundo das artes, para o país e para a cidade de Évora”, indicou a autarquia, em comunicado.
Nascido em Lisboa, o artista mudou-se em 1985 para Évora, onde se fixou e onde deixou exposta, na sua própria casa, boa parte de uma obra multifacetada, em que também trabalhou materiais como o cimento fundido, o bronze, o ferro soldado, o gesso, além do mármore, muitas vezes corroído com ácido.
Nesta cidade alentejana, em 1981, já tinha promovido, com o Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual, o I Simpósio Internacional de Escultura em Pedra, reunindo um grupo de escultores.
Frequentou os ateliês de António Pedro, Jorge Barradas e António Duarte, de 1946 a 1950, tendo feito a sua primeira exposição individual (“Tentativas Plásticas”) em 1951, com 14 anos, em Reguengos de Monsaraz, onde apresentou esculturas, pinturas, aguarelas e cerâmicas.
Cutileiro foi condecorado com a Ordem de Sant’Iago da Espada, Grau de Oficial, em agosto de 1983, e recebeu os doutoramentos Honoris Causa pela Universidade de Évora e pela Universidade Nova de Lisboa, em 2013 e 2017, respetivamente.
Em dezembro de 2018, João Cutileiro recebeu a Medalha de Mérito Cultural, numa cerimónia no Museu de Évora.
 Na ocasião, foi formalizado o anterior compromisso de doação do espólio do escultor ao Estado português, em 2016, e assinado um protocolo para a gestão do acervo que envolveu o Ministério da Cultura, o município e a Universidade de Évora.
O escultor é autor do Monumento ao 25 de Abril, instalado no Parque Eduardo VII, em Lisboa, entre outras obras.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Covid-19: Inspeção da IGAS admite responsabilidade deontológica de médicos em Reguengos

A inspeção ordenada pelo Ministério da Saúde ao surto de covid-19 no lar de Reguengos de M…