Neste Natal nasce Senhor,
no coração de cada homem e mulher.
Nota-se, no ser humano, uma sede de infinito
que não se satisfaz nas fontes do bem-estar e do conforto.
Faltas Tu para encher de brilho os nossos olhos poluídos.
Nasce Senhor,
nas famílias que se esvaziam de diálogo e de Fé,
porque há portas fechadas e presépios sem Menino.
Faltas Tu para gerar vida e dar significado ao Amor.
Nasce Senhor,
nos pátios das escolas
e nas salas onde se aprende a ser e a saber.
Faltam as Tuas lições de humildade, de bondade,
de compaixão e de esperança.
Nasce Senhor,
nos caminhos da dor da pandemia,
nosescombros da tristeza e da morte,
nas noites sem luar e sem estrelas,
nos dias do medo e do nevoeiro,
e nas estradas vazias e sem horizonte.
Falta a Tua Luz, a Fé na Tua presença.
É urgente que nasças, Senhor,
nos recantos das praças, onde sobrevivem famintos e sem teto,
que ninguém ama e para quem ninguém olha,
onde corpos se vendem, onde reina a indiferença.
Falta o anúncio do Teu Reino, a Tua Palavra, o Teu olhar fraterno.
Nasce Senhor,
nas nações em conflitos,
nas lutas dos parlamentos e nos muros que construímos.
Nasce em nós, Senhor,
E faz-nos Anjos a anunciar “Paz na Terra aos homens por Deus amados”.
Faz-nos pastores na “Belém”  do mundo anunciando o Amor
É urgente que nasças, Senhor!
Teimamos em não precisar de Ti,
em sermos autossuficientes,
e, por isso, vagueamos na insegurança e no medo.
Nasce Senhor,
Neste chão, nesta hora, neste tempo de pandemia.
Vem, Senhor, ensina-nos a cuidar-nos e a cuidar os outros,
cuida-nos como teus filhos
sedentos de Esperança e Paz.

Maria de Fátima Magalhães stj

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Opinião

Veja também

Covid-19: Ordem para confinar dia 14 de Janeiro

Na quarta-feira, Governo aprova medidas que deverão seguir o modelo do confinamento de Mar…