Portugal continental registou no final de novembro o fim da seca meteorológica no Baixo Alentejo e Algarve, mas verificou-se o aparecimento da classe de seca fraca na região do Minho e Douro, segundo o IPMA.
No final de novembro, 62,3% do território estava em situação de chuva fraca, 33,6% em normal e 4,1% em seca fraca, segundo o último boletim climatológico do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).
Os dados indicam que no final de novembro terminou a situação de seca meteorológica que ainda existia no Baixo Alentejo e Algarve e na região do Minho e Douro Litoral verificou-se o aparecimento da classe de seca fraca (corresponde apenas a 4% do território), devido aos baixos valores de precipitação que ocorreram nessa região, muito inferiores ao normal.
Segundo o boletim, verificou-se em novembro um aumento generalizado em todo o território dos valores de percentagem de água no solo, com uma recuperação significativa na região Sul, em particular no sotavento Algarvio.
O instituto classifica em nove classes o índice meteorológico de seca, que varia entre “chuva extrema” e “seca extrema”.
De acordo com o IPMA, existem quatro tipos de seca: meteorológica, agrícola, hidrológica e socioeconómica.
A seca meteorológica está diretamente ligada ao défice de precipitação, quando ocorre precipitação abaixo do que é normal.
Além do índice de seca, o Boletim Climatológico disponível hoje no ‘site’ do IPMA, indica que o mês de novembro classificou-se como muito quente em relação à temperatura do ar e normal em relação à precipitação.
De acordo com o boletim, o mês de novembro foi o 2.º mais quente desde 2000 e o 10.º mais quente desde 1931 (mais quente foi em 1981).
O valor médio da temperatura média (13,68 graus Celsius) foi superior (1,31 graus) em relação ao normal.
Quanto ao valor médio da temperatura mínima (9,47 graus) foi superior ao normal, sendo o 12.º mais alto desde 1931 e o 3.º desde 2000.
Já o valor médio da temperatura máxima (17,88 graus) foi superior ao normal, sendo o 12.º valor mais alto desde 1931 e o 6.º desde 2000.
O menor valor da temperatura (-1,6 graus) foi registado em Carrazeda de Ansiães (Bragança) no dia 22 e o maior valor (28,3 graus) em Alcobaça (Leiria) no dia 19 de novembro.
Quanto à precipitação, o valor médio da quantidade de precipitação em novembro, 109,4 milímetros, foi igual ao valor normal 1971-2000. Durante o mês ocorreu precipitação nos períodos 04 a0 9, 14 a 15 e 24 a 30.
De destacar a precipitação forte que ocorreu na região Sul nos dias 25, 26 e 30 e que originou inundações nos distritos de Beja e Faro. Foram ultrapassados os maiores valores diários de precipitação nas estações meteorológicas de Covilhã, distrito de Castelo Branco (82,7 a 09 de novembro) e Alcoutim, em Faro (33,4 no dia 05).
O maior valor mensal da quantidade de precipitação em novembro foi registado na estação meteorológica de Covilhã (290,6 milímetros), e o menor valor na de Lavradio, distrito de Setúbal, (49,5).

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Actual

Veja também

Castelo de Vide atribui medalha de ouro municipal a título póstumo a Salgueiro Maia

A Câmara de Castelo de Vide vai atribuir na sexta-feira a medalha de ouro do município, a …