O Movimento de Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) de Évora realiza, no sábado, uma ação de rua para recolher mensagens de apoio para a manutenção da Urgência Pediátrica do hospital da cidade para enviar à ministra da Saúde.
A iniciativa vai decorrer entre as 10:30 e as 12:00, junto ao edifício do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), revelou hoje à agência Lusa a porta-voz do MUSP no distrito de Évora, Lina Maltez.
Esta ação, sublinhou, realiza-se porque “há o perigo de encerramento da Urgência Pediátrica do HESE”, o que, a concretizar-se, será “muito grave”, pelo que “devia haver um esforço do Ministério da Saúde para manter o serviço aberto”.
A porta-voz realçou que “não vai ser uma iniciativa de massas”, porque o movimento não quer de “forma nenhuma aumentar o afluxo de pessoas ao HESE”, devido à pandemia de covid-19.
“Vão lá estar poucas pessoas” do MUSP do distrito de Évora e, durante aquele período, “quem quiser, com o cumprimento das regras de segurança, pode passar, preencher e assinar os postais, que propomos, depois, fazer chegar à ministra”, referiu Lina Maltez.
“É uma forma de lhe fazer ver que queremos a Urgência Pediátrica de Évora”, acrescentou.
Em comunicado enviado hoje à Lusa, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) solidarizou-se com a iniciativa, considerando que “a mobilização dos utentes e dos profissionais de saúde é essencial na mensagem que urge fazer chegar à ministra da Saúde e ao Governo”.
“É imperativo reforçar as equipas médicas para que o hospital de Évora continue a prestar cuidados médicos pediátricos especializados às crianças, sobretudo numa região de difícil acesso aos serviços de saúde”, sublinhou.
O HESE implementou esta semana “um novo modelo de atendimento” no Serviço de Urgência Pediátrica para “garantir a assistência às crianças e jovens do Alentejo” e procurar contrariar a falta de pediatras.
“Entre agosto e setembro, o Serviço de Urgência Pediátrica (SUP) do HESE viu reduzida a sua equipa em sete elementos”, mais precisamente quatro pediatras por baixas médicas e três por rescisão de contrato, lembrou o conselho de administração.
Apesar das “múltiplas tentativas de contratação de pediatras” efetuadas, ainda “não houve uma resposta que permitisse colmatar aquelas ausências de forma sustentada”, lamentou o HESE.
O novo modelo de atendimento neste serviço, desenhado em articulação com a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, “mantém o atendimento pediátrico urgente com um pediatra de presença física – continuando-se a recorrer a prestadores de serviços, se tal se revelar necessário – e com um ou dois médicos com treino pediátrico, que farão o primeiro atendimento”, revelou o hospital.
Fonte do HESE contactada pela Lusa precisou que, antes, o atendimento dos utentes no SUP era efetuado por dois pediatras e um médico de clínica geral, passando agora a escala a ser assegurada por um pediatra, dois médicos com treino em atendimento pediátrico e, quando necessário, um segundo pediatra.
“As instalações mantêm-se as mesmas, assim como o circuito destes doentes. No entanto, a afetação dos recursos humanos e das instalações atuais passarão a estar sob a responsabilidade do Serviço de Urgência Geral, à semelhança do que acontece com outras especialidades, tais como a ortopedia, a medicina interna ou a cirurgia geral”, esclareceu a unidade hospitalar.
O HESE indicou ainda que este modelo “será transitório até ao regresso dos pediatras que se encontram de baixa, em conjunto com o preenchimento das vagas atribuídas pelo Ministério da Saúde no concurso de especialistas”.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Polícia Judiciária detém suspeito de pornografia de menores em Évora

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou a detenção, em flagrante delito, de um homem de 56 anos…