Desafiou-me um amigo a escrever sobre uma revista de caça que tinha sido marcante em meados do século XX e à qual não se daria a devida importância. Fui ler e dei-lhe razão, tinha de facto artigos interessantes e úteis para o conhecimento histórico – além do lazer e de tratar actividades rurais tradicionais relevantes para a cultura.
Trata-se da revista «Diana: caça, pesca desportiva, hipismo», que em Dezembro de 1956 transcreve uma caçada (real) que tinha acontecido em 1904 em Elvas e na sua zona, e depois em Badajoz.  
A revista usou como fonte a descrição de um autor espanhol que escreveu o seguinte: 

“Nos últimos dias de Fevereiro do ano de 1904 encontrava-me tranquilamente no meu gabinete quando fui agradavelmente surpreendido pela visita do Ex.mo Sr. Miguel Carlos Caldeira de Carvalho, fidalgo lusitano e monteiro do Rei D. Carlos de Portugal. O objectivo da sua presença ali era convidar-me, em nome de Sua Majestade, para uma caçada que deveria realizar-se na fronteira, num dos próximos dias, sendo expresso desejo d´El Rei que os meus conhecimentos daquele terreno contribuíssem para o melhor resultado da expedição. Considerando-me muito honrado com tal distinção, acedi gostosamente, e, para dar maior brilho à festa, solicitei o concurso dos cães do meu bom amigo e companheiro de caçadas António Pacheco. O dia 4 de Março foi o indicado para se começar a caçada, no dia anterior saí a cavalo para Portugal, acompanhado do meu “perrero” e de um temporal medonho. Atravessei a fronteira[…] Percorrendo os maus caminhos pejados de atoleiros, onde me meti, sob constantes chuvadas e andando parte da caminhada com rumo perdido pelos azinhais, cheguei finalmente à herdade de Malaque, onde me aguardava D. Luis Baena, cônsul de Espanha em Elvas. Não quero lembrar o que passei naquele miserável alojamento para não ofender a memória do bom amigo Baena. Pobres cães, pobres cavalos e infelizes de nós! Outro rei que não fosse D. Carlos I de Portugal teria desistido de caçar com um tempo tão farto de chuvas e ventos como o que tivemos nos primeiros dias daquele mês, mas o monarca lusitano, havia fixado o dia 4 para começo da caçada e naquela data se apresentou nos montes próximos à fronteira de Badajoz, seguido de brilhante escolta montando briosos cavalos[…] Surgiram, então, conduzindo magníficos corcéis andaluzes e extremenhos, os convidados espanhóis, os conhecidos caçadores D. Alonso Bejarano, meu querido amigo e fino atirador, um dos meus melhores companheiros nas batidas, António Pacheco com os seus belos cães podengos, mastins, galgos e alanos, D. Alonso Grajera, proprietário da quinta onde iríamos caçar; seu filho Juanito; o cônsul Sr. Baena e a minha humilde pessoa. Juntaram-se também à expedição muitos cavaleiros portugueses, vizinhos das cidades próximas, desejosos de tomar parte na caçada e de conhecer o seu rei, aclamando-o com as descargas cerradas as suas armas de caça. Com os espanhóis cavalgavam o Governador Civil de Badajoz[…] No momento em que tão luzidas comitivas se encontraram deram vivas ao Rei e imediatamente o cônsul de Espanha fez a apresentação dos cavaleiros espanhóis, estabelecendo-se seguidamente o plano da caçada. Sua Majestade, com grande amabilidade, chamou-me para o seu lado, convidando-me a dispor como julgásse mais conveniente, coisa que me foi fácil de resolver, tendo em conta que, à minha disposição e do senhor Caldeira, estavam mais de duzentos batedores […] o difícil é cercar um monte com vinte espingardas quando se necessitem de oitenta e que as peças saiam mesmo ao encontro daqueles vinte, isto é ciência; mas cercar o monte com duzentos caçadores sendo suficientes oitenta, nada tem de difícil. Em pouco tempo tudo ficou pronto para a batida começar. Tantas espingardas havia que me sobraram cerca de quarenta, sem saber onde colocá-las; mas por fim encontrei lugar, e bom, pois nos sítios de mais confiança, coloquei duas filas de caçadores, distanciadas uns quinhentos metros uma da outra, tendo uma pequena colina entre as duas para evitar qualquer acidente. Rodeámos um monte chamado La Langaruta. O chefe dos batedores senhor Caldeira, encarregou-se, com os seus duzentos subordinados, de percorrer bem o terreno, juntando-se-lhes os nossos “perreros” com as respectivas matilhas.”  

Ora o autor destas linhas é Antonio Covarsí Vicentell, cuja biografia está devidamente tratada pela Real Academia de la Historia de Espanha tendo ele próprio uma história de vida curiosa. Descendente de uma família que tinha participado nas guerras carlistas, muda-se em pequeno para a Extremadura espanhola e conhece bem a cidade portuguesa de Elvas onde chegou a viver desterrado por razões políticas. Não foi um autor menor e dedicou-se ao estudo das questões cinegéticas. Foi presidente da Sociedad de Cazadores de Badajoz em 1890 e foi condecorado pelo Rei D. Carlos com a Ordem de Santiago pelas brilhantes organizações de caça. Morreu em Badajoz, com descendência, em 1937. E graças a ele e à revista Diana temos o relato detalhado das caçadas organizadas a partir de Elvas.  

Tiago Matias
licenciado em Estudos Europeus (Faculdade de Letras de Lisboa) 

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Opinião

Veja também

Covid-19: Transferência de idosos infetados em lar de Vila Viçosa prevista para quarta-feira

Vila Viçosa …