A PSP efetuou buscas na Santa Casa da Misericórdia de Portalegre, por suspeitas de crimes lesivos de bem jurídico patrimonial, mas não constituiu arguidos nem efetuou detenções, disse hoje à agência Lusa fonte daquela força de segurança.
A fonte da PSP indicou que a operação decorreu na quarta-feira, centrando-se na sede da Santa Casa da Misericórdia de Portalegre (SCMP), em duas casas de acolhimento geridas pela instituição e em residências particulares.
A operação terminou com a recolha de “muita prova”, que será agora analisada por peritos informáticos e de contabilidade.
Esta investigação, já dada como “concluída” pela PSP, foi delegada pelo Ministério Público da Comarca de Portalegre, entidade que dirige o respetivo processo.
A Lusa contactou o provedor da SCMP, João Torres Pereira, mas o responsável não quis prestar declarações, alegando que a investigação se encontra em segredo de justiça.
Segundo a lei, os crimes lesivos de bem jurídico patrimonial podem estar relacionados com movimentação de capitais, contratos de compras e a forma como são geridos esses capitais – a gestão de fundos, no caso de uma instituição particular de solidariedade social (IPSS).

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Região

Veja também

Covid-19: Esquadra de Estremoz da PSP fecha após caso positivo

A Esquadra de Estremoz da PSP fechou as portas temporariamente para a desinfecção dos espa…