Trinta estações ferroviárias desactivadas e devolutas, situadas no Alentejo e no Norte, integram o novo programa do Governo Revive Ferrovia para serem, em 2021, concessionadas a privados, reabilitadas e reconvertidas para fins turísticos.

“É um programa que segue o modelo dos Revive anteriores. Ou seja, vai facilitar a reabilitação e animação turística de imóveis que se encontram num estado devoluto”, afirmou terça-feira a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques.

A titular da pasta do Turismo falava aos jornalistas no final da assinatura de contratos de financiamento com autarquias e agentes económicos, no âmbito do Programa Valorizar, que decorreu na Universidade de Évora.

Antes, em Sousel, no distrito de Portalegre, junto à estação ferroviária, a governante participou na cerimónia de assinatura de um protocolo entre as sociedades IP Património e Turismo Fundos, que formalizou a criação do programa Revive Ferrovia.

Nas declarações prestadas em Évora, a secretária de Estado indicou que foram identificadas “30 estações ferroviárias” para integrarem o programa, as quais “têm um potencial grande de poderem ser reconvertidas para efeitos turísticos”.

“Celebrámos esse acordo de colaboração entre a Turismo de Fundos e a IP Património para podermos, no decorrer de 2021, lançar os concursos de concepção para a atribuição dos direitos de exploração dos espaços”, frisou.

Os concursos, adiantou Rita Marques, “em princípio serão lançados em lote”, tendo em conta a experiência adquirida com os outros dois programas Revive – Património e Natureza.

“Estas 30 estações serão provavelmente lançadas em lotes de forma também a medirmos e aferirmos a atracção do mercado a estas iniciativas, que, até agora, tem sido extraordinária”, sublinhou.

A secretária de Estado vincou que não compete ao Governo “impor limites” quanto aos projectos a implementar nas estações, mas sim “garantir que há financiamento e condições para que as visões e os sonhos dos empresários possam ser materializados”.

“Estamos a falar de espaços que, na nossa perspectiva, podem ser requalificados para unidades de alojamento, espaços de restauração e animação turística”, mas “a nossa prioridade é garantir que existem condições para requalificar esses espaços”, disse.

As 30 estações que integram o programa Revive Ferrovia situam-se nas linhas do Moura, Évora/Estremoz, Évora/Estremoz/Portalegre, Alentejo, Alentejo – traçado primitivo e do Sabor, e nos ramais de Reguengos, Mora, Cáceres e de Monção, nos distritos de Évora, Beja, Portalegre, Bragança e Viana do Castelo.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Igreja do Espírito Santo em Évora reabre após requalificação de 2,5ME

A Igreja do Espírito Santo, em Évora, construída pelos jesuítas no século XVI, reabre ao p…