O Conselho Regional da CCDR Alentejo aprovou em reunião extraordinária, na passada segunda-feira, dia 14, o documento de orientação estratégica no horizonte 2030: “A Estratégia Regional do Alentejo 2030”.
A reunião, que decorreu no auditório da CCDRA, em Évora, contou com a presença, para além dos membros do Conselho Regional, da ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e do secretário de Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel.
A ministra da Coesão Territorial considerou que o documento aprovado reflecte o sentir da região, que a distingue de todas as outras.
Ana Abrunhosa referiu ainda que foi aprovado um documento dinâmico e que agora o que é importante é que se passe “da estratégia aos vários programas de acção e aos projectos, porque só a execução é que de facto resolve e altera os problemas da região”.
Na sua intervenção, Roberto Pereira Grilo, presidente da CCDR Alentejo, referiu que a Estratégia Regional Alentejo 2030 é o resultado de um trabalho de colaboração entre os diversos stakeholders, que através dos seus contributos permitiram chegar a um documento que “procura contribuir para a construção de respostas a um conjunto de desafios que persistem, com intensidades distintas”, isto apesar “ do trabalho realizado e dos resultados de um ciclo de intervenção de políticas públicas e de investimentos dos municípios, das empresas e das associações”.
A aprovação do documento por parte dos conselheiros foi motivo de satisfação para Roberto Grilo, que realçou o relevante papel da CCDRA e dos seus parceiros nos trabalhos de preparação de um novo ciclo de desenvolvimento regional, sempre balizado por referências de planeamento e programação a nível europeu e nacional.
O processo da sua elaboração, enquanto instrumento da região (e não apenas para a região), disse, exigirá de todos os actores o sentido crítico que motiva as expectativas de correcções ou novas dinâmicas, recorrendo à capacidade e solidariedade colectivas de uma visão estratégica regional.
Referiu ainda, na sua intervenção, a liderança da CCDR, em interacção próxima com o Conselho Regional e os seus membros, na dinamização, desde o início e em diversos momentos-chave, da participação dos parceiros económicos, sociais e territoriais da região.
Este importante documento “resulta de uma participação empenhada e tecnicamente qualificada” e representa uma “plataforma de entendimento e responsabilização da região no que se refere ao futuro a médio prazo”.
Sendo um documento dinâmico vai ainda melhorar, mas o “princípio de convergência no planeamento estratégico a médio prazo aponta aquele que é o caminho que se pretende para uma região, no caso do Alentejo, fazendo dele notar que há especificidades dentro da própria região Alentejo que é preciso manter e que acabam por ser um garante da sua identidade como tal.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Nuno Barraco
Carregar mais artigos em Região

Veja também

Alex traz vento, chuva e descida de temperatura

No seguimento dos critérios de emissão estabelecidos para a nomeação de tempestades da épo…