O investigador da Universidade de Évora Ricardo Agarez ganhou uma bolsa de 1,5 milhões de euros do Conselho Europeu de Investigação para estudar formas de colocar a história da arquitetura ao serviço da resiliência e sustentabilidade das comunidades.
O arquiteto e historiador da arquitetura e cidades, que é professor no Departamento de Arquitetura da Universidade de Évora (UÉ), obteve uma ‘Starting Grant’ (bolsa de início de carreira) do Conselho Europeu de Investigação (ERC), anunciou a academia alentejana.
A bolsa, no valor de 1.499.613,75 euros, é “uma das seis concedidas nesta edição a investigadores baseados em Portugal” e “uma de três atribuídas, a nível europeu, a projetos no domínio da história da arquitetura e do ambiente construído”, disse a UÉ.
“Esta é ainda a primeira vez que o ERC financia um projeto neste domínio em Portugal”, em qualquer dos seus programas de bolsas, e é “o primeiro projeto” premiado pelo ERC em que a UÉ “é a instituição de acolhimento”, congratulou-se a academia.
Em relação a Portugal, além de Ricardo Agarez, as ‘Starting Grants’ do ERC, consultou a agência Lusa na página de Internet do organismo, foram atribuídas nesta edição ao psiquiatra e neurocientista Albino Oliveira-Maia, do Centro Champalimaud, ao investigador Elias Barriga, do Instituto Gulbenkian de Ciência, aos cientistas Paulo Rocha e Bárbara Gomes, da Universidade de Coimbra, e à investigadora Sónia Cruz, da Universidade de Aveiro.
No caso do investigador do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da UÉ, a bolsa visa apoiar um projeto do qual é o responsável, a desenvolver ao longo de cinco anos por uma equipa internacional, para “estudar formas de colocar a história da arquitetura ao serviço da resiliência e sustentabilidade das comunidades”.
O ReARQ.IB “O Ambiente Construído como Suporte de Comunidades Resilientes e Sustentáveis: (Re)Conhecer a Arquitetura e o Desenho Urbano do Quotidiano na Península Ibérica (1939-1985)” pretende compreender a arquitetura que “dá forma ao nosso quotidiano” e “poder às nossas comunidades”, explicou a UÉ.
Esta compreensão permite às comunidades “tomar decisões informadas sobre o que manter, reutilizar e substituir” e “sobre como atualizar e aperfeiçoar os seus edifícios”, realçou a universidade.
 “Num contexto em que os recursos materiais e económicos disponíveis são cada vez mais escassos e têm de ser racionalmente utilizados, a readequação e revalorização de edifícios existentes é uma prioridade” face “à construção nova”, disse.
“O projeto reconcilia comunidades em Espanha e Portugal com a sua ‘arquitetura de proximidade’”, ou seja, “estruturas, conjuntos e bairros normalmente excluídos das histórias canónicas, perto do nosso dia-a-dia, mas longe do nosso pensamento”, pode ler-se no comunicado da universidade.
Ao mesmo tempo que “a arquitetura contemporânea publicada é celebrada nos círculos profissionais de ambos os países, e mesmo por vezes publicamente reconhecida, as comunidades locais espalhadas pela Península Ibérica, incluindo muitos arquitetos, continuam a conhecer mal o seu próprio contexto edificado”.
“Com uma atenção especial a edifícios de uso público e residencial, o projeto integrará informação detalhada e reflexão crítica em apoio de medidas de gestão e intervenção, desenvolvendo em paralelo o conhecimento científico e histórico sobre a arquitetura e o espaço urbano do nosso quotidiano”, como “suporte da participação das comunidades na gestão do seu ambiente construído, reforçando a sua resiliência e sustentabilidade”, frisou a UÉ.
O Conselho Europeu de Investigação, criado em 2007, é a principal organização europeia de financiamento de investigação avançada de excelência.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Redacção
Carregar mais artigos em Região

Veja também

PSD questiona Governo por “exclusão” da A6 de descontos em portagens

O PSD questionou hoje o Governo sobre “a exclusão da autoestrada A6”, que passa no Alentej…