Um empresário alemão está a investir cerca de oito milhões de euros na construção de um hotel de charme e na ampliação da adega na sua quinta vitivinícola no concelho de Vidigueira, distrito de Beja, no Alentejo.
Trata-se de Dieter Morszeck, neto do fundador e antigo presidente da marca de malas de luxo Rimowa, que, em 2017, após ter vendido a marca, comprou 85 hectares na Quinta do Paral para “realizar o sonho” de construir um negócio de família que “envolvesse a sua paixão pela criação de vinhos e um hotel de luxo”, explica a empresa vitivinícola, em comunicado enviado à agência Lusa.
Na Quinta do Paral, o empresário desenvolveu um projeto de produção de vinhos com “foco na sustentabilidade e na tradição alentejana” e agora está a fazer um novo investimento de cerca de oito milhões de euros, que inclui a construção de um hotel de charme e a ampliação da adega.
Segundo a empresa, o hotel, num investimento estimado de 6,5 milhões de euros, está em construção, terá 20 quartos e um restaurante e irá permitir aos visitantes degustarem os vinhos da Quinta do Paral “num ambiente único e requintado”.
Na adega, o empresário tem realizado vários investimentos num valor total de 1,3 milhões de euros para aumentar a capacidade de fermentação, armazenagem e estágio de vinhos.
“Sempre sonhei em construir um negócio de família onde criássemos vinhos excecionais, que refletissem o caráter do seu ‘terroir’. No Alentejo, mais propriamente na Vidigueira, encontrei todas as condições para realizar este sonho”, conta Dieter Morszeck, citado no comunicado.
Segundo o empresário, “o objetivo da Quinta do Paral passa por criar vinhos únicos e de qualidade superior” e “proporcionar experiências inigualáveis”, através do hotel de charme e do enoturismo.
De acordo com a empresa, desde 2017, Dieter Morszeck, juntamente com a sua equipa e com a ajuda do enólogo Luis Morgado Leão, “tem vindo a criar vinhos únicos e distintos numa adega moderna, versátil, onde existe uma excelente seleção de barricas de carvalho francês, americano e do Cáucaso oriundas das melhores tanoarias do mundo”.
Atualmente, a Quinta do Paral tem 52 hectares de vinha – dos quais 12 são vinhas velhas “com mais de 50 anos” -, que “são sujeitos a práticas de proteção integrada, favoráveis ao ambiente, o que reduz significativamente a utilização de pesticidas, permitindo a criação de vinhos de qualidade superior”.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Pedro Trindade Sena
Carregar mais artigos em Destaque Principal

Veja também

Covid-19: Não há novos casos em Campo Maior e Elvas

Os concelhos de Elvas e Campo Maior não registaram, nas últimas 24 horas, quaisquer novos …